Copa do Mundo da FIFA Sub-17 Brasil 2019™

Copa do Mundo da FIFA Sub-17 Brasil 2019™

26 de outubro - 17 de novembro

Copa do Mundo Sub-17 da FIFA

Edu García, o "dragão" protetor do finalista México

  • Mexicano defendeu três cobranças de pênaltis contra os holandeses
  • Herói da semifinal, Garcia joga no gol "desde um ano de idade"
  • Goleiro é esperança do México para a final contra o Brasil domingo

"Eu gosto do apelido, me deram com 8 ou 9 anos em Chivas, me faz pensar que estou aqui para impor", diz em voz paradoxalmente baixa o goleiro mexicano Eduardo García, mais conhecido como 'O Dragão'. Faz apenas dez minutos que um pênalti holandês explodiu nas suas luvas pela terceira vez. Faz apenas dez minutos que ele se consagrou como o herói do México na classificação para a final da Copa do Mundo Sub-17 da FIFA Brasil 2019™.

"Estou muito emocionado", confessa García em entrevista ao FIFA.com. "Sabia que eu podia conseguir, visualizei." Os holandeses Taabouni, Braaf e Regeer paralisaram diante do olhar do jovem asteca na disputa de pênaltis que se seguiu ao empate em 1 a 1 pelas semifinais do Mundial nesta quinta-feira, em Brasília. "Eu tinha referência de alguns e, com outros, visualizei. Disse comigo: 'Esse é meu, esse eu pego'."

Quem primeiro visualizou o amor do Dragão pelas traves foi o seu pai, também Eduardo de batismo. "Você não vai acreditar, mas ele é goleiro desde um ano de idade", conta o papai coruja, vestido com o mesmo azul celeste do filho nas arquibancadas do Estádio Bezerrão, em Brasília (Gama).

Mexico v Netherlands - FIFA U-17 World Cup Brazil 2019 - Eduardo Garcia of Mexico makes a save during a penalty shootout 
© Getty Images

"Eu gosto de futebol desde que comecei a caminhar, mas eu levava a bola com as mãos", recorda o jovem arqueiro. "Quando eu estava no jardim de infância, meu pai me levava para bater bola em um campo de areia perto de casa. Eu gostava de defender, de ser aquele que salva o time, e sempre me chamou atenção quem se vestia diferente. Eu queria ser assim."

O garoto voava para todos os lados, mas também se destacava por outra característica. "Ele era muito sério para alguém tão novo", revela o pai.

"Sempre fui assim, desde pequeno", confirma o Dragão. "Eu não tinha explicação para isso e, conforme a gente vai crescendo, se dá conta do que quer para si e do que precisa para conseguir. E parte do que eu preciso é estar bem focado."

García certamente está muito concentrado no Brasil. Desde a primeira partida, contra o Paraguai, as suas qualidades e intervenções em momentos decisivos chamaram a atenção. Durante os 90 minutos regulamentares contra os Países Baixos, também. Não surpreende que ele seja o goleiro com mais defesas na competição: 26. E ele também é um dos menos vazados, com somente três gols sofridos.

O camisa 1 mexicano, que admira o esloveno Jan Oblak — "mesmo quando é acionado duas ou três vezes na partida, ele sempre está lá para responder", explica — poderá se tornar o terceiro goleiro do seu país a vencer o Mundial Sub-17.

E por que o Dragão acredita que poderia conquistar feito semelhante? "Porque nós, mexicanos, somos capazes de conseguir qualquer coisa.”

Explore esse tópico

Matérias recomendadas