Escócia e País de Gales em ascensão
© Getty Images

Ao ser escolhido como técnico da seleção escocesa, em janeiro, Gordon Strachan disse que a sua espera "de 40 anos" para ocupar o cargo finalmente havia terminado. E o começo não poderia ter sido melhor: com vitória. Após derrotar a Estônia por 1 a 0, em amistoso disputado no começo de fevereiro, a Escócia conseguiu subir cinco posições no Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola, passando para o 64º lugar.

O crescimento do País de Gales foi ainda mais impressionante: a equipe subiu 13 posições, chegando ao 68º posto após derrotar a Áustria por 2 a 1. Gareth Bale fez o primeiro gol do jogo, e Sam Vokes marcou o segundo dos galeses. A seleção de Gales não ficava tão próxima da Escócia no Ranking desde novembro de 2012 — um mês antes, as duas nações haviam se enfrentado pelas eliminatórias para a Copa do Mundo da FIFA, com vitória galesa por 2 a 1.

A melhor colocação do País de Gales no Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola foi o 27º lugar, obtido duas ocasiões: em agosto de 1993 e em fevereiro e março de 1994. Já os escoceses chegaram a ocupar a 13ª colocação em outubro de 2007. No entanto, ambas as seleções têm enfrentado dificuldades recentemente, e nenhuma chegou perto de ultrapassar o 30º lugar nos últimos três anos.

Gales foi o país que mais subiu no Ranking em 2011, apesar da trágica morte de Gary Speed, que treinava o selecionado. A equipe saiu do 117º lugar, a sua pior colocação em todos os tempos, para o 37º posto em meados do ano passado, ficando à frente da Escócia por oito meses consecutivos. No entanto, uma série de resultados ruins nas eliminatórias para o Brasil 2014 fez a seleção de Chris Coleman descer vários degraus.

Mesmo assim, o momento mágico vivido por Gareth Bale é motivo para os fãs galeses manterem o otimismo, especialmente pelas suas grandes atuações pelo Tottenham. Em 2013, Bale já marcou 11 gols, incluindo o marcado no Liberty Stadium, diante da Áustria.

Com Rhodes, o caminho das vitórias
Os escoceses também têm um artilheiro implacável. Em 13 partidas disputadas neste ano, Jordan Rhodes já marcou oito gols. Na temporada europeia, são 25 bolas na rede em 40 jogos pelo Blackburn. A contratação pelo clube de Ewood Park foi motivada pela ótima temporada realizada pelo centroavante em 2011/12, quando marcou 40 gols em 46 jogos pelo Huddersfield Town, na terceira divisão inglesa. Rhodes marcou os dois gols da Escócia na vitória sobre Luxemburgo, no fim de 2012, e entrou bem no decorrer do primeiro jogo em que a seleção foi comandada por Strachan, contra a Estônia.

Se Rhodes marcar pela seleção tantos gols quanto faz no Blackburn, a Escócia pode renovar as esperanças de melhorar a campanha nas eliminatórias, a qual até agora está muito aquém do esperado. Os escoceses somam apenas dois pontos no Grupo A do torneio classificatório europeu e ocupam a lanterna da chave, após quatro rodadas.

"Não posso pedir nada além do que estamos fazendo no momento", disse Strachan, ao assumir o cargo. "Vamos disputar e tentar vencer os próximos jogos. A minha filosofia é buscar vitórias, como faz o Manchester United, e nós vamos tentar. O que eu sei é que estes rapazes, por mais que estejam sendo criticados, são os melhores no que fazem. Eles jogam pela Escócia e precisamos encontrar um esquema adequado para que conquistem vitórias."

A vitória logo na estreia parece ser a prova de que o pedido de Strachan surtiu efeito. O País de Gales é que agora busca uma recuperação semelhante, para tentar melhorar o seu desempenho ruim neste início de campanha nas eliminatórias.

Os únicos pontos obtidos pelos galeses no Grupo A vieram justamente da vitória sobre a Escócia, no Cardiff City Stadium. A equipe perdeu todos os outros jogos das eliminatórias em 2012. Mas onde há Bale, há esperança para o País de Gales e o técnico Chris Coleman.

"Se ele fosse argentino ou brasileiro, muito mais gente o reconheceria como um jogador de primeira linha em nível mundial", disse Coleman à BBC. "Considero ele um jogador incrível, um dos melhores com quem tive o prazer de trabalhar. Os melhores galeses com quem joguei foram Neville Southall, Ian Rush e Ryan Giggs — todos de nível mundial. Gareth Bale, para mim, faz parte desta turma."

Ao avaliar os adversários da chave nas eliminatórias, Coleman considera que "Bélgica e Croácia são as seleções mais fortes de um grupo muito difícil". Ele também alerta para as dificuldades da sua equipe por ter largado mal. "Algo drástico precisa ocorrer com essas duas seleções, e alguém de trás precisa dar uma arrancada. Não estou dizendo que não possa ser o País de Gales, mas considero que precisamos terminar na melhor colocação que pudermos para conseguirmos ficar numa chave menos complicada para as eliminatórias da próxima Euro."

O recente crescimento dos dois países torna o próximo confronto entre ambos muito esperado por todos. Escócia e País de Gales se enfrentarão no dia 22 de março, no Hampden Park, em Glasgow. Em outubro, a vitória galesa por 2 a 1 foi possível graças a dois gols marcados por Bale. Os escoceses esperam que a chegada de Strachan impeça que o atacante do Tottenham volte a brilhar mais uma vez.