Tailândia se recupera da queda
© AFP

Para muita gente, as conquistas futebolísticas da Tailândia não são tão conhecidas quanto suas belas paisagens costeiras. Porém, o país do Sudeste Asiático acumula algumas façanhas dignas de nota neste esporte, como o terceiro lugar na Copa Asiática de Seleções de 1972 e as participações nos Torneios Olímpicos de Futebol de Melbourne 1956 e da Cidade do México 1968, quando representou seu continente. Por feitos como estes, a seleção tailandesa já chegou fazer parte da elite do futebol da Ásia.

No entanto, desde então a Tailândia perdeu espaço no cenário continental. Ainda assim, permanece entre as equipes mais vitoriosas de sua região, já que venceu a Copa do Sudeste Asiático três vezes. Embora tenham sido eliminados na primeira fase na edição de 2010 do torneio, os tailandeses chegaram para a competição deste ano determinados a superar essa decepção.

Sob o comando do alemão Winfried Schäfer, eles estiveram à altura das expectativas e não tiveram problemas para alcançar sua sexta final regional. Na decisão, porém, acabaram derrotados por Cingapura, que venceu o jogo de ida por 3 a 1 e soube segurar o resultado na partida de volta, perdendo apenas pelo placar mínimo. Mesmo com a derrota, a Tailândia recebeu uma recompensa por sua boa campanha: subiu 16 posições no Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola, e agora aparece na 136ª colocação.

Sinal de alerta
Esta classificação, porém, está bem longe da melhor obtida pelo país na lista global: 43º em setembro de 1998. Ainda assim, o progresso mostrado pelos tailandeses os transformou no conjunto asiático que mais evoluiu em dezembro na Ásia, recolocando-os entre os 20 primeiros de seu continente.

Talvez ainda mais notável seja o fato de que este feito tenha sido realizado logo após a fracassada campanha do selecionado nas eliminatórias para o Brasil 2014. Nessa competição, a Tailândia chegou a surpreender nas primeiras fases, derrotando Omã por 3 a 0 e arrancando um empate sem gols com a Arábia Saudita. Entretanto, tropeçou quando era mais importante: perdeu seus três últimos jogos e deixou escapar por pouco a chance de passar para a última etapa do torneio classificatório.

Os bons resultados nas eliminatórias levaram a Tailândia à 139ª posição em março deste ano, mas a falta de jogos nos meses seguintes fez que o país caísse em novembro até sua pior colocação na história (152º). Assim, o Campeonato do Sudeste Asiático representou a oportunidade ideal para que o conjunto de Schäfer detivesse a trajetória descendente.

Bom momento
Ávida por recuperar a credibilidade perdida, a Tailândia deu início a sua campanha no torneio regional com uma vitória por 2 a 1 sobre a aspirante Filipinas. A seguir, goleou Mianmar por 4 a 0 com três chutes certeiros de Teerasil Dangda. No jogo final do grupo, o triunfo por 3 a 1 sobre o Vietnã, vencedor da competição em 2008, permitiu aos tailandeses se classificar como ganhadores da chave.

O primeiro teste real chegou na semifinal, quando enfrentaram a então campeã Malásia. Dangda salvou o conjunto com um gol no fim e garantiu o empate em 1 a 1 fora de casa, após Norshahrul Idlan Talaha ter aberto o placar. No entanto, a história foi diferente em Bangcoc, onde os donos da casa venceram por 2 a 0, assegurando um lugar na decisão contra Cingapura.

Contudo, as esperanças tailandesas de obter seu quarto título regional foram por água abaixo após o primeiro jogo, na casa da adversária. Mesmo com a vitória em sua capital no sábado passado, dia 22 de dezembro, foi o país insular quem ficou com a taça.

Apesar da derrota, há motivos para otimismo para Schäfer. Dangda terminou como artilheiro da competição com cinco gols, enquanto Kirati Keawsombut balançou a rede três vezes, duas delas contra os vietnamitas. Panupong Wongsa se destacou como capitão da equipe, que fez uma grande campanha na competição.

"O Campeonato do Sudeste Asiático foi positivo para a Tailândia", disse o técnico alemão, que já treinou Camarões. "Podemos montar uma boa seleção a partir daqui. Há talento suficiente no país, e quero seguir avançando no desenvolvimento do futebol tailandês, apesar das dificuldades. Precisamos olhar para o futuro, e tenho certeza de que a Tailândia tem condições de alcançar um patamar mais alto. Não podemos parar por aqui."