Grande sucesso do Programa Ambiental da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011
© Getty Images

Em muitas ocasiões, podemos observar o importante papel do futebol no desenvolvimento social. Nesta sexta-feira, foi divulgado na sede da Federação Alemã de Futebol (DFB) o relatório final do Programa Ambiental da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011. O documento deixou claro que o programa atingiu o objetivo de garantir um torneio ecologicamente correto e não prejudicial ao meio ambiente.

O presidente da FIFA, Joseph S. Blatter, falou sobre a importância do programa no prefácio do documento. "Para realizar uma Copa do Mundo da FIFA de primeira classe nos dias de hoje é necessário que haja consciência ambiental e uma campanha para garantir que as consequências negativas no meio ambiente sejam averiguadas e reduzidas ou compensadas através de medidas direcionadas para este objetivo. Esta tarefa foi resolvida de forma fantástica pelo Programa Ambiental da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011."

Em oito dos nove estádios da Copa do Mundo da FIFA foi estabelecido um sistema de gerenciamento ambiental para o futuro. "Esses resultados mostram que a Alemanha aproveitou mais uma vez a chance de mostrar que é um anfitrião cordial e apaixonado por futebol, além de ter organizado um torneio com consciência ambiental e não prejudicial ao meio ambiente", afirmou o presidente da DFB, Theo Zwanziger.

Emissões amplamente compensadas
Graças a um manejo ambiental abrangente, muitas soluções foram encontradas pelo Programa Ambiental da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011 em tópicos centrais como energia, água, lixo, mobilidade e alimentação. Essas soluções reduziram as cargas ambientais do evento, sensibilizaram o público a respeito desses aspectos, introduziram uma cooperação ambiental e criaram sustentabilidade. "É preciso agradecer à FIFA", afirmou na apresentação do relatório a presidente do Partido Verde alemão, Claudia Roth, que também é a responsável pela proteção climática e ambiental da DFB.

Para compensar os gases do efeito estufa emitidos devido à Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011, o Comitê Organizador e a DFB, apoiados pela FIFA, investiram voluntariamente um total de 600 mil euros. Com esses recursos serão financiados cinco projetos em países em desenvolvimento para compensar cerca de 40 mil toneladas de emissões de gás carbônico. No final do ano de 2011, as emissões relacionadas ao Mundial Feminino terão sido completamente compensadas.

Além disso, oito dos nove estádios da Copa do Mundo Feminina da FIFA receberam o certificado "ÖKOPROFIT". Em cinco oficinas, os empregados dos estádios receberam informações sobre medidas ecológicas e econômicas para a redução do consumo de energia e água, assim como para evitar e reduzir resíduos e lixo. Durante a implantação do "ÖKOPROFIT", um total de 50 medidas individuais foram colocadas em prática e outras 20 ainda deverão ser implantadas, o que poupará cerca de seis milhões de quilowatt-hora de energia nos estádios.

Pelo interesse da sociedade
Na arena da Copa do Mundo Feminina da FIFA em Frankfurt, por exemplo, foram comprados 24 mil salsichões orgânicos. E em todos os estádios da Copa do Mundo Feminina da FIFA foi oferecida ao menos uma opção de alimento orgânico. Em relação ao transporte público, aéreo e ferroviário, foram adotadas todas as medidas para que o mais importante torneio de futebol feminino do planeta fosse o mais ecológico possível. "O torneio foi amplamente direcionado para a sociedade", declarou o coordenador geral do Comitê Organizador Local da Alemanha 2011, Ulrich Wolter.

O renomado Okö-Institut, que fez o balanço do Mundial Feminino, deu um parecer muito positivo sobre o evento. A DFB, a FIFA e a Fundação Governamental Alemã do Meio-Ambiente, iniciadores e apoiadores da campanha, também se mostraram satisfeitas com os resultados. "O Programa Ambiental da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011 não foi o início, mas funcionou como um catalisador que acelerou tudo", comentou Markus Gladys, encarregado da SGL Arena Augsburg, estádio onde foram realizadas algumas partidas da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011. "Sem dúvidas, essas iniciativas terão continuidade."

Experiências importantes para o futuro
Os esforços em nome da consciência ecológica de acordo com o Programa Ambiental da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011 serão transportados para os estádios e clubes na Alemanha. Além disso, a DFB também se engajará intensivamente nesse campo para que a sustentabilidade seja um importante tema também globalmente. "As experiências desta campanha são extremamente importantes tendo em vista os torneios do futuro e fornecem um impulso considerável nesse sentido", afirmou durante o fórum de diálogos do Programa Ambiental da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011 o diretor do departamento de responsabilidade social da FIFA, Federico Addiechi. Atualmente, o ideal de deixar um legado sustentável parece ser uma meta realista.

No entanto, Addiechi sabe que nem tudo será fácil. "Obviamente, há diferenças de um país para outro", disse ele. "Será necessário se adaptar a isso." Mas o pontapé inicial já foi dado na questão da consciência ecológica no futebol. Graças também ao Programa Ambiental da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011, foram criadas diretrizes claras e adquiridas experiências valiosas para a organização de eventos não prejudiciais ao meio ambiente.

"Agora há uma moldura", avaliou Addiechi. "O programa ambiental teve cinco fundamentos principais: energia, água, lixo, mobilidade e alimentação. Para 2014, serão seis: água, lixo, energia, transporte, logística e mudanças climáticas. Todas essas questões estarão presentes no futuro na Copa do Mundo da FIFA." Passados 125 dias do encerramento da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011 e faltando exatos 937 dias para a abertura da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, uma importante etapa foi cumprida nesta sexta-feira em Frankfurt.