As melhores declarações de Hans Meyer
© Getty Images

Seu nome é um dos mais comuns dos países de língua alemã – algo similar a "José da Silva" no Brasil. No entanto, Hans Meyer é único. Somente ele, por exemplo, conseguiu ser campeão como técnico da copa nacional da antiga Alemanha Oriental e repetir o feito por um clube da Alemanha unificada.

Hoje aposentado e com 70 anos, Hans Meyer também ganhou grande popularidade graças a seus ácidos comentários. Em entrevistas, se mostrou sempre igualmente distante e sarcástico, sem esquecer certa dose de ironia em relação a si mesmo. Talvez por isso, às vezes se incomodasse por ser tachado de falastrão.

"No futebol, não demoram a construir uma estátua para você, mas também não demoram a urinar nela", afirmou Meyer certa vez, em mais uma de suas tiradas. Por declarações como esta, o ex-técnico foi eleito membro da Academia Alemã da Cultura do Futebol, que, aliás, atribuiu a ele a Frase do Ano de 2007: "Muito frequentemente o futebol é sempre igual."

No entanto, Meyer não chamava atenção apenas por sua personalidade. Ele também foi um vitorioso treinador, o que ficou comprovado por suas conquistas. Em sua Alemanha Oriental natal, venceu três vezes a Copa da Alemanha Oriental com o Carl-Zeiss Jena (1972, 1974 e 1980) e levou o clube do estado da Turíngia à final da antiga Recopa da Europa em 1981 – que acabou vencida pelo Dínamo de Tbilisi georgiano por 2 a 1.

Mais tarde, Meyer fez seu nome na Holanda, onde comandou o Twente entre 1996 e 1999, adotando uma filosofia de jogo moderna e deixando uma excelente impressão. Depois, reconduziu o Borussia Mönchengladbach à primeira divisão alemã e salvou o Hertha Berlin do rebaixamento.

Em 2007, o experiente treinador conquistou a Copa da Alemanha pelo Nuremberg. Depois disso, retornou ao Borussia Mönchengladbach e impediu que o clube voltasse para a segundona. Em 2009, Meyer encerrou a carreira como treinador. Atualmente, exerce o cargo de presidente de honra do Borussia.

Por estas e outras razões, o FIFA.com presta uma homenagem a ele, com uma coletânea de suas melhores frases.

"Depois de um empate em 2 a 2, ele veio a nosso vestiário querendo trocar a camisa. Então, disse a ele: 'Não vou te dar uma camisa. Na próxima temporada, você vai ganhar milhares delas.' Ele não riu. Não passou na prova, não tem senso de humor."
Respondendo por que Daniel Felgenhauer, então adversário de sua equipe, não foi para o Borussia Mönchengladbach

"Estou entrando para a história como o único (técnico) a ser campeão da Copa da Alemanha Oriental e agora da Alemanha unificada. Já era hora. Não sobraram muitos mais de nós."
Referindo-se ao fato de que não havia mais muitos técnicos da antiga Alemanha Oriental na ativa

"Começamos vencendo o Dínamo por 1 a 0, mas perdemos por 2 a 1. É o tipo de coisa que ficamos remoendo por toda a vida. Mas ao mesmo tempo foi o melhor resultado que já tive como treinador."
Sobre a final da Recopa de 1981, quando o Carl-Zeiss Jena perdeu para o Dínamo de Tbilisi

"O Jörg Stiel disse uma vez que eu tinha sido seu melhor treinador. Mais tarde, descobri que ele havia tido apenas dois."
Sobre o elogio do ex-goleiro da seleção suíça, com quem Meyer trabalhou no Borussia Mönchengladbach

"Minha mulher não me deixava mais trabalhar no jardim porque não sei diferenciar uma rosa de uma couve-flor."
Respondendo por que resolveu voltar a trabalhar como treinador depois de um período afastado

"Tivemos de interromper o treino por meia hora de tão felizes que os jogadores ficaram. Alguns até choraram."
Depois de prorrogar seu contrato com o Borussia

"Ainda não posso responder isso. Senão terei problemas quando minha mulher aparecer na véspera de Natal com um pacote de roupas íntimas de luxo."
Respondendo se um empate com o Bayern de Munique havia sido o melhor presente de Natal que ele já havia recebido

"Continuo sabendo escolher bem a tática, motivar bem os jogadores e dar treinos à perfeição. Mas quando sofremos quatro derrotas consecutivas, a diretoria se recusa a conversar com você, a equipe está dividida em grupinhos, começam a surgir inúmeras brigas, e todos querem colocar a culpa uns nos outros, então nenhuma de suas competências como treinador serve para nada. Só mesmo uma vitória ajudaria."
Sobre a situação de um técnico em uma equipe em declínio

"Com um resultado tão claro, não tive nem a chance de manipular a votação. Mas se o resultado fosse diametralmente contra minhas expectativas, teria dito que a votação era apenas um teste."
Sobre a votação que definiu que Tomas Galasek, muito estimado por Meyer, seria o capitão do Nuremberg

"Acredito que agora não vamos mais deixar a liderança."
Após uma surpreendente vitória por 3 a 0 contra o Stuttgart na estreia do Campeonato Alemão, que deixou o Nuremberg temporariamente na liderança

"Se você quiser me colocar uma auréola, vou destroçá-la no mesmo instante."
Depois de receber elogios que considerou excessivos

"Nunca ficarei velho o suficiente para suportar todas as surpresas que o futebol tem guardadas."
Sobre a experiência acumulada em sua longa e bem-sucedida carreira