As frases da semana
© Getty Images

A derrota do Brasil para a Inglaterra na volta de Luiz Felipe Scolari ao comando da Seleção deu o que falar em uma semana marcada ainda pela renovação de contrato de Messi com o Barcelona, por uma derrota surpreendente nas eliminatórias para a Copa do Mundo da FIFA e pela definição dos finalistas da Copa Africana de Nações. Confira um resumo da semana através das melhores frases:

“Normalmente não bato nesse canto (esquerdo). O goleiro me enganou e acabei perdendo o pênalti”, Ronaldinho, que perdeu um pênalti contra a Inglaterra em seu retorno à Seleção.

“Se o Neymar estivesse perto da jogada, ele bateria. Já estava estabelecido. Mas ele estava fora, trocando as caneleiras. E quando ele chegou na bola, o Ronaldinho estava com ela. É um craque. Os dois têm a mesma qualidade e vimos isso no treinamento”, Luiz Felipe Scolari, treinador da Seleção, explicando a situação na entrevista coletiva após a partida.

“Estou contente. Nós provamos que somos bons o suficiente. É o meu primeiro confronto contra o Brasil como técnico, e eu estou muito feliz por ter sido capaz de supervisionar uma vitória. Espero que esta vitória dê convicção aos jogadores”, Roy Hodgson, treinador da Inglaterra.

"Não vamos nos deixar levar, mas vamos aproveitar esta noite, porque, obviamente, o Brasil é um adversário de classe. É ótimo chegar aos jogos das eliminatórias com um bom resultado. Há muitos aspectos positivos a serem levados às eliminatórias para a Copa do Mundo. Se jogarmos assim, vamos continuar no caminho certo", Gary Cahill, zagueiro do Chelsea e da seleção da Inglaterra, logo após a vitória sobre o Brasil por 2 a 1.

"Precisamos tirar lições positivas de cada jogo. Hoje tivemos um bom jogo contra uma seleção diferente da nossa no aspecto físico”, David Luiz, companheiro de Cahill nos Blues e zagueiro da Seleção Brasileira, tirando as conclusões do confronto.

“Sei do meu potencial. Para falar a verdade, já há algum tempo tenho vivido uma fase melhor aqui no Atlético do que no São Paulo, em épocas em que era convocado regularmente. Mas isso da Seleção é feito de ciclos. Você tem que estar pronto”, Miranda, zagueiro do do Atlético de Madri e da Seleção Brasileira, ao FIFA.com.

“Estamos crescendo, conseguindo títulos, coisas importantes, e temos que continuar nesse pique. A minha fraqueza era a marcação. Aqui o lateral tem primeiro que defender bem e depois atacar. Acho que foi a característica em que mais evoluí. Melhorei muito e hoje sou um jogador mais completo”, Filipe Luís, lateral esquerdo do Atlético de Madri e da Seleção Brasileira, ao FIFA.com.

“Acho que o potencial máximo da cada um é o que faz uma grande equipe. O Barça é melhor com o Léo, e o Léo é melhor com o Barça. O futebol não é um jogo individual, é um esporte coletivo em que a soma de todos é o que faz com que as individualidades possam ser muito mais vistas. Eu sou melhor com o Léo, o Léo é melhor conosco, e isso é o que importa: que todos nós sejamos responsáveis por fazer bem as coisas”, Andrés Iniesta, meia do Barcelona, ao FIFA.com.

"As críticas sempre afetam um pouco, porque o melhor para um zagueiro é não ser comentado. Os rumores sempre incomodam, mas faz parte do futebol, já aprendi. Agora valorizo muito mais o fato de eu estar bem. Quando cheguei ao Barcelona tudo parecia fácil. Mas é quando vêm as complicações que a gente aprende a valorizar o que tem. Isso me ajudou a me tornar um jogador melhor", Gerard Piqué, zagueiro do Barcelona, sobre os altos e baixos que teve no ano passado, ao FIFA.com.

“Pirlo e Buffon são alguns dos sujeitos que mais apoiam a Azzurra e fariam absolutamente qualquer coisa pela equipe. Andrea é um dos grandes jogadores do mundo. Não só ele é um jogador que sabe ler o ritmo do jogo, mas que dá caráter ao time. Para nós, ele é um ponto de referência: enquanto estiver motivado e com vontade de jogar, ele sempre se destacará e, por isso, alguém impossível de se deixar de fora”, Cesare Prandelli, treinador da Itália, ao FIFA.com.

"Quero jogar por mais dez anos, mas não sei se poderei chegar aos 38 jogando. Farei isso se me sentir bem psicologicamente e fisicamente, mas não devo ter problemas para alcançar esse objetivo. Dizem que depois dos 32 ou 33 anos o atleta muda sua genética e forma de jogar, se tornando mais lento, mas ganha em experiência. Eu aproveito este momento, que é muito bom", Cristiano Ronaldo, atacante do Real Madrid, pensando no futuro.

"Cometemos erros demais, e vários jogadores não mostraram todo seu potencial. Quando se perde uma partida, sempre existem razões. A desta noite foi que tivemos atletas demais jogando abaixo de seu rendimento normal", Jürgen Klinsmann, treinador dos Estados Unidos, sobre a derrota para Honduras nas eliminatórias para a Copa do Mundo da FIFA 2014.

"Levou cinco anos para montar aquele elenco de 94, mas a equipe de agora só tem cinco semanas. Não quero que as pessoas interpretem isso mal, porque estamos começando a crescer. Não acho que já chegamos lá e acabou, que não possamos perder. Não, às vezes acontecem altos e baixos", Stephen Keshi, treinador da Nigéria, tentando conter a euforia em torno do finalista da Copa Africana de Nações 2013, ao FIFA.com.

"Sei que a Nigéria é uma grande equipe, mas também somos uma grande equipe e definitivamente não vamos nos esconder. Vamos ter chances nessa partida, e, além disso, sempre tem espaço para surpresas. Talvez esta seja a nossa vez", Paul Put, treinador de Burkina Fasso, antes da final da CAN, ao FIFA.com.

“Já disse antes que, em nível europeu, gostaria de terminar minha carreira no Barça. Não planejo jogar em nenhuma outra equipe do continente. Mas não descarto terminar minha carreira esportiva na Argentina”, Lionel Messi, após renovar seu contrato com o Barcelona até 2018, quando terá 31 anos.

“Obrigado a todos pelas mensagens. Meu nariz está melhor. Eu voltarei a parecer com o “Demba Ba” em breve”, Demba Ba, atacante do Chelsea, falando sobre a recuperação após quebrar o nariz no jogo contra o Newcastle, em sua conta do Twitter.

“Em nome de Sua Santidade o Dalai Lama, gostaria de dar os parabéns a todos os jogadores do Bradford City pelo incrível feito. Ele espera que esta enorme conquista possa ser transformada em uma oportunidade para ajudar outras pessoas, demonstrando a força e o valor do esporte na busca pela felicidade dentro e fora do campo”, Mr. Thubten Samdup, porta-voz do Dalai Lama, depois da surpreendente vitória do Bradford City sobre o Aston Villa na Copa da Liga inglesa.