Séries, recordes e mais genialidade de Messi
© AFP

Nesta semana, a análise estatística do FIFA.com dá destaque aos recordes alcançados ou evitados no Chile, na Inglaterra, na Alemanha e na Suécia, além de trazer as mais recentes façanhas de Lionel Messi e o fim do jejum de vitórias do Flamengo.

10

jogos sem vencer, a pior sequência do Flamengo na história do Campeonato Brasileiro, foi a série que os homens comandados por Vanderlei Luxemburgo encerraram com a virada de 2 a 1 sobre o América-MG no último sábado. O clube carioca vinha de cinco derrotas e cinco empates desde a vitória por 1 a 0 contra o Coritiba, em 6 de agosto, que levou os rubro-negros à liderança do campeonato, então invictos há 15 rodadas. Parecia que a seca do Fla continuaria no Engenhão quando Kempes abriu o placar para o time mineiro, mas Deivid empatou aos 17 do segundo tempo e Thiago Neves, para lá de acostumado a balançar as redes, anotou o seu primeiro gol em 13 jogos a dois minutos do encerramento. Essa foi a primeira vez das quatro partidas que o Flamengo tentou vencer sem Ronaldinho, autor de 13 gols em 22 jogos no Brasileirão deste ano. Sem o craque, a equipe da Gávea empatou em 1 a 1 com o Ceará e perdeu para o Atlético-GO por 4 a 1 e para o Bahia por 3 a 1. Além disso, nos últimos quatro compromissos que disputou em casa, havia perdido três e empatado uma. O resultado de sábado deixou o Mengão em sexto na tabela, a oito pontos do líder e arquirrival Vasco da Gama.

9

gols contra, o mais recente acontecido aos 45 do segundo tempo no empate em 1 a 1 do Aston Villa na visita ao Queen’s Park Rangers, no domingo, fazem de Richard Dunne o dono de um recorde nada invejado na primeira divisão da Inglaterra. O zagueiro irlandês, que tem dois gols contra a mais que Jamie Carragher, também divide outro recorde inglório na Premier League: os oito cartões vermelhos que recebeu são páreo apenas para Patrick Vieira e Duncan Ferguson. O último gol contra de Dunne fez do Villa o terceiro clube a empatar cinco dos seis primeiros jogos na história do Campeonato Inglês, depois do Ipswich Town em 1992/93 e do Fulham na temporada passada. Já o atacante Peter Crouch terminou o fim de semana com uma marca positiva. Ao assinalar o seu primeiro gol pelo Stoke, ele se tornou o sexto jogador a balançar as redes por seis clubes diferentes na Premier League, ao lado de Andy Cole, Les Ferdinand, Marcus Bent, Nicky Barmby e Craig Bellamy. A rodada também foi marcante para Robin van Persie, que anotou os seus gols de número 99 e 100 para o Arsenal, e para Owen Hargreaves, do Manchester City, que correu para o abraço pela primeira vez em 1256 dias.

9

partidas, 12 gols e dez assistências: eis o impressionante retrospecto de Lionel Messi em 2011/12 até o momento. Com oito gols e cinco assistências só no Campeonato Espanhol, o talismã do Barcelona já participou de mais bolas na rede do que 18 dos 20 clubes que disputam o torneio. Desde o começo da temporada, o craque ostenta média de quase um gol por jogo, com 65 em 64 partidas oficiais do Barça. Além disso, o hat-trick que assinou contra o Atlético de Madri no sábado elevou para 127 o seu total de tentos em 182 participações na primeira divisão da Espanha, superando Mario Kempes (126 em 222). O número transformou Messi no segundo maior artilheiro argentino da liga espanhola em todos os tempos. Contudo, o atacante de 24 anos terá um longo caminho pela frente até igualar a imponente marca de 228 gols alcançada por Alfredo Di Stéfano.

9

vitórias consecutivas no começo do Clausura fizeram com que a Universidad de Chile firmasse um novo recorde nacional. O time de Santiago, que conquistou o seu 14º título de campeão chileno no Apertura deste ano, vive um momento excepcional, com apenas uma derrota nos últimos 29 jogos e nenhuma nos últimos 14. Além disso, a campanha impecável no Clausura teve 24 gols marcados e apenas três sofridos. A última vitória — 3 a 0 sobre o O’Higgins no domingo — fez com que a Universidad quebrasse o recorde de Cobreloa e Colo Colo, que ganharam oito jogos seguidos em 1978 e 2007, respectivamente.

7

clubes diferentes provaram o sabor da vitória nas últimas sete temporadas do Campeonato Sueco, com o Helsingborgs conquistando o seu primeiro título nacional desde 1999 no domingo. A primeira divisão do país nunca havia registrado semelhante sequência. Desde 2005, Djurgardens, Elfsborg, Gothenburg, Kalmar, AIK e Malmo se sagraram campeões. Outros países da Europa já tiveram séries mais longas — o recorde pertence à Holanda, onde 11 times revezaram a taça entre 1942/43 e 1953/54. A sequência observada na Suécia é a maior desde que a França fez sete campeões distintos entre 1991/92 e 1998/99.

6

meses e quatro dias após a última vitória pelo Campeonato Alemão, o Hamburgo finalmente voltou a triunfar, escapando por pouco de igualar um recorde estabelecido há muito tempo no clube. Caso não tivesse superado o Stuttgart na sexta-feira, a equipe teria chegado a 14 jogos sem vencer, repetindo a seca vivida em 1967. O Hamburgo venceu por 2 a 1 de virada no primeiro jogo de Rodolfo Cardoso como técnico interino. Contudo, talvez seja bom lembrar que o antecessor dele, Michael Oenning, também venceu na estreia, mas não conseguiu repetir o desempenho nos jogos subsequentes. Quem não tem esse tipo de preocupação é o Bayern de Munique, que fez 3 a 0 sobre o Bayer Leverkusen no sábado e completou o seu nono jogo sem gols sofridos, chegando a 568 minutos sem ser vazado na Bundesliga.