Goleiro-artilheiro das Ilhas Salomão brilha aos 16
© Getty Images

Fazer um gol em uma Copa do Mundo é um feito notável por si só. Realizá-lo com apenas 16 anos torna a façanha ainda mais impressionante. Acrescentando-se o fato de que o jovem em questão é um goleiro, a narrativa começa a parecer um pouco exagerada. Quando dissermos que o gol saiu de um chute do próprio campo de defesa e deu a vitória às Ilhas Salomão, seleção famosa pelas derrotas retumbantes, as pessoas já terão parado de escutar. Afinal, parece mesmo conversa para boi dormir.

O relato, no entanto, nada mais é do que a verdadeira história de Anthony Talo, seu inesquecível gol e o inédito triunfo dos insulares em uma Copa do Mundo de Futsal da FIFA. Terminada a partida contra a Guatemala, o próprio goleiro parecia tão surpreso quanto os espectadores que haviam presenciado tudo aquilo acontecer.

"Não dá para descrever o que estou sentindo", disse Talo ao FIFA.com. "É simplesmente incrível. Esta foi minha primeira Copa do Mundo, então nem poderia imaginar que faria um gol. Foi um momento fantástico para mim. Quero dedicar este gol ao povo das Ilhas Salomão. Espero que eles também estejam sentindo a mesma alegria que eu."

Talo foi apenas o quinto goleiro a balançar as redes adversárias em uma Copa do Mundo de Futsal da FIFA, e de longe o mais jovem de todos. Ele é, ainda, o segundo jogador mais novo a marcar no torneio, independentemente da posição. O caçula da história é o saudita Safouk Al Temyat que, por curioso que possa parecer, realizou a sua proeza num 8 de janeiro, dia do aniversário de Talo.

A bola que saiu da área de defesa para morrer na rede da Guatemala, porém, não deu ao goleiro o primeiro gol da sua carreira. Após o jogo, ele revelou que já tinha atacado de artilheiro em duas ocasiões, embora ambas por competições locais das Ilhas Salomão. "A sensação foi um pouco diferente desta vez", reconheceu. "Certamente foi o meu favorito, e espero que venham outros no futuro."

Como se o conto de fadas de Talo já não fosse extraordinário por excelência, há ainda o detalhe de que a sua presença em quadra só foi possível por conta da suspensão do goleiro titular, Paul Huia. Escalado pelo destino, o adolescente acabou sendo decisivo para a histórica vitória do seu país e a consequente festa que tomou conta do vestiário da seleção, cuja alegria podia ser ouvida pelos corredores do Ginásio Huamark.

"Estávamos extasiados", sorriu o goleiro. "Inicialmente estávamos apenas agradecendo e parabenizando uns aos outros, mas de repente todo mundo começou a cantar o hino nacional. O grupo está muito feliz por encerrar a campanha desta maneira. Acho que a diferença hoje foi que todos jogaram no mesmo nível, com a mesma intensidade, o que não tinha acontecido nas outras partidas."

"Estavam todos correndo uns pelo outros, incentivando-se", continuou. "Foi um triunfo realmente coletivo. O resultado e a nossa atuação provam que podemos competir em alto nível, e isso nos será muito útil no futuro."

Com jogadores tão jovens e talentosos como Talo, as Ilhas Salomão devem esperar, sim, um futuro brilhante. Agora, viver novamente uma história tão incrível como a do seu goleiro-artilheiro parece muito menos provável.