Russos não se impressionam com goleadas
© Getty Images

Fazendo um retrospecto dos últimos anos, a Rússia está entre os favoritos da Copa do Mundo de Futsal da FIFA Tailândia 2012, ao lado de Brasil e Espanha. Até aqui, a equipe comandada pelo técnico Sergey Skorovich vem confirmando o favoritismo, com uma goleada de 16 a 0 sobre as Ilhas Salomão, a maior diferença de gols do torneio, seguida por inapeláveis 9 a 0 contra a Guatemala.

Com os resultados, os russos garantiram antecipadamente a vaga nas oitavas de final e mostraram força à concorrência. Além disso, com os 25 gols marcados, o país ostenta o melhor ataque das duas primeiras rodadas do Mundial. Ao mesmo tempo, a meta de Gustavo, goleiro brasileiro naturalizado russo, é a única que permanece invicta em solo tailandês.

Esse início arrasador prova que a seleção russa de fato é séria candidata ao título, embora o técnico desconverse ao comentar o assunto. "Estamos fazendo o nosso trabalho de forma profissional e não sentimos pressão alguma", explica Skorovich. "Os verdadeiros favoritos são a Espanha, campeã europeia, e o Brasil, campeão do mundo."

Essa postura do treinador de 39 anos talvez seja uma maneira de não colocar a própria equipe sob pressão. Apesar dos triunfos enfáticos diante de salomônicos e guatemaltecos, Skorovich estima que os seus comandados ainda têm muito a provar na Tailândia. "Fizemos duas boas partidas, mas é preciso reconhecer que os adversários não eram os mais fortes do torneio", diz. "Os jogos da segunda fase serão de outro nível. Mas também não posso dizer que não realizamos nada até aqui, porque cada equipe tem os seus pontos fortes. Claro que era mais fácil derrotar as Ilhas Salomão do que a Guatemala, contra quem jogamos em 2010 e precisamos da prorrogação para vencer."

Tranquilidade e bom humor
A pressão inerente aos grandes torneios não parece afetar o comandante da Rússia, que já levou o país à final do último Campeonato Europeu de Futsal, na Croácia. Espirituoso, Skorovich prefere ver as coisas com simplicidade. O técnico da Espanha, Venancio López, que assistiu ao duelo da Rússia contra a Guatemala, foi alvo do senso de humor do russo. "É amigo meu e nos acompanha de perto", conta. "Vi quando ele estava comprando ingressos para a partida."

No entanto, Skorovich recupera rapidamente a seriedade ao falar sobre as ambições do combinado russo na Tailândia 2012 e sobre as demais partidas disputadas até agora. "É preciso tentar progredir sempre", aponta. "O nosso objetivo é chegar à final. Até o momento, os jogos não foram muito equilibrados, com exceção daquele entre Argentina e Itália. O melhor está por vir."

Indagado sobre a sua equipe e o orgulho de representar o país, porém, Skorovich voltou a desconversar. "Deixem a gente ganhar a Copa do Mundo, depois respondo à pergunta", afirmou. Se tudo correr conforme os planos da Rússia, será preciso esperar até a final do dia 18 de novembro para sabermos a resposta.