Feito histórico para Alfarsi mesmo na derrota
© Getty Images

Embora não tenha percebido no momento, Ahmad Alfarsi deixou o seu nome na história esta semana. Nenhum kuwaitiano jamais havia marcado mais de um gol em uma partida de Mundial até terça-feira, quando o jogador de 23 anos escreveu um novo capítulo nos livros de estatísticas do país na partida contra a Sérvia, pela segunda rodada da Copa do Mundo de Futsal da FIFA Tailândia 2012.

Só houve um problema: o jogo teve outros sete gols, todos eles anotados por sérvios. Mesmo assim, foi um Alfarsi sorridente que conversou com o FIFA.com logo após a derrota por 7 a 2. "Marcar duas vezes em uma Copa do Mundo é especial, claro", diz ele. "Apesar de os gols não significarem muita coisa quando se perde, é uma partida da qual sempre vou me lembrar."

No entanto, não foi exatamente a sua façanha individual que lhe deixou com um brilho de satisfação e orgulho. "Estou mais orgulhoso da equipe", explica. "O fato de sermos a primeira seleção kuwaitiana a participar de uma Copa do Mundo desde 1982 é uma grande realização, e sei que as pessoas no país estão muito orgulhosas de nós. Tivemos imenso apoio, e nos últimos três anos o futsal se desenvolveu bastante no Kuwait. Agora temos um campeonato adequado e felizmente o Mundial fará com que mais pessoas se interessem pelo esporte."

Ídolos como Alfarsi certamente estão contribuindo para inspirar a próxima geração do futsal kuwaitiano. Dedicado embaixador do país fora das quadras, ele também é um dos jogadores mais talentosos e combativos da equipe, e ganhou elogios do técnico Luis Fonseca pela atuação contra a Sérvia. "O Ahmad jogou muito bem", avaliou o treinador espanhol do Kuwait. "Geralmente as qualidades defensivas dele são mais proeminentes, mas foi ótimo vê-lo aproveitar aquelas oportunidades no ataque. Ele é um jogador muito forte e incisivo."

Mas Alfarsi não é o único jogador da nação do Golfo que está impressionando na Tailândia. Apesar das derrotas diante de República Tcheca e Sérvia, o Kuwait, que este ano participa do Mundial de Futsal pela primeira vez, está contribuindo consideravelmente para o espetáculo em solo tailandês. "Acho que jogamos muito bem", vibra o camisa 4 kuwaitiano. "Mas você precisa de gols para ganhar as partidas, e não estamos marcando gols o bastante. De maneira geral, o nosso futebol é bom, mas outras equipes estão aproveitando as suas chances melhor do que nós. Isso é algo que precisamos trabalhar para melhorar futuramente."

Alfari está determinado a fazer com que a sua primeira Copa do Mundo de Futsal da FIFA não seja a última. Embora admita ser improvável que o Kuwait se classifique às oitavas de final como um dos melhores terceiros colocados, ele insiste que a Tailândia 2012 só fez aumentar o apetite por uma nova aventura daqui a quatro anos. "Está sendo uma experiência incrível", comenta. "Todos nós estamos gostando muito, e aprendendo muito, também. Tudo isso é novo para nós, e o nível de jogo é o mais alto que já vimos. Sempre soubemos que seria difícil, mas acho que podemos voltar para casa orgulhosos do que fizemos", conclui