A nova chance de Vinícius
© Getty Images

O último mês de junho representou uma virada na carreira de Vinícius, capitão da seleção brasileira de futsal. Após uma trajetória brilhante na Europa, recheada de títulos e prêmios, o ala de 35 anos sofreu uma lesão no joelho que ameaçou frustrar o sonho de competir na Copa do Mundo de Futsal da FIFA Tailândia 2012.

Há cinco meses, Vinícius ouvia dos médicos que a sua carreira estava próxima do fim, mas a decisão de retornar ao Brasil acabou resgatando a confiança do jogador. Após uma conversa com o craque e companheiro Falcão, ele assinou com a Intelli de Orlândia para iniciar a longa e dolorosa recuperação.

Foram meses complicados, que, somados às dúvidas que os próprios médicos colocaram em sua cabeça, hoje fazem Vinícius respirar aliviado na hora de voltar a fazer o que mais gosta - e justamente em um Mundial da FIFA. "Pensei que nunca mais jogaria futsal, muito menos pela seleção", disse em entrevista ao FIFA.com. "Antes de fechar o contrato com a Intelli, conversei com o Falcão e ele disse que o clube era grande e seria um ótimo lugar para a minha reabilitação."

O fato de estar de volta ao seu país certamente ajudou. Tamanho era o empenho na fisioterapia que Vinícius foi convidado a se juntar à Seleção Brasileira naquele mesmo mês de julho mesmo não apresentando condições para atuar. Era tudo questão de confiança, dele e da comissão técnica da equipe que se preparava para a disputa da Copa do Mundo. "Trabalhei duro nos últimos cinco meses para recuperar a força e conseguir estar presente na Tailândia", acrescentou. "Fiz fisioterapia, treinei todos os dias e segui programas de condicionamento físico extremamente puxados. Foi difícil, afinal tenho 35 anos, mas acho que agora estou bem e posso ajudar a seleção."

Líder humilde
De volta à velha forma, o ala capitaneou a equipe de Orlândia na campanha do inédito título do clube na liga brasileira de futsal, anotando um gol decisivo na final contra a Krona de Joinville. Foi um momento especial, como explicou Vinícius. "Voltar a competir e ainda disputar a final do campeonato foi maravilhoso. Mas não tenho ideia de como consegui marcar. Não dá para descrever. O gol veio nos momentos finais do jogo, quando o meu corpo já não aguentava mais. Só Deus sabe como coloquei aquela bola na rede."

Na Tailândia 2012, a primeira contribuição importante de Vinícius para a campanha brasileira foi um gol na estreia contra o Japão. Depois de tanta dedicação e esforço para estar no sudeste asiático, o capitão quer aproveitar a competição ao máximo. "Sinto um grande orgulho de estar disputando a minha terceira Copa do Mundo de Futsal, ainda mais aos 35 anos. Quero curtir cada momento aqui, porque esta será a minha última participação."

Integrante da Seleção que terminou em terceiro lugar na China Taipei 2004, Vinícius enfim ergueu a taça há quatro anos, em solo nacional, já como capitão. Ao falar do papel de líder dos tetracampeões mundiais, ele revelou a modéstia característica. "Para ser honesto, a braçadeira de capitão não faz muita diferença para mim", explica. "Sou o mesmo cara estando com ela ou não. Sempre procuro chamar atenção e orientar a equipe quando identifico um erro, mas não dou muita importância ao fato de ser capitão."

Classificado, mas não acomodado
Nesta quarta-feira, o Brasil enfrenta Portugal, um adversário que mexe com o veterano. "Será um jogo difícil, já que eles precisam vencer", diz. "Para mim será especial, porque sou um admirador dos jogadores portugueses, como Ricardinho, Cardinal e João Matos. Podemos esperar uma partida equilibrada, decidida no detalhe."

Embora o Brasil tenha sido o primeiro país a garantir vaga na próxima fase, Vinícius evita qualquer análise precipitada para a sequência do campeonato. "Há muitos grupos e não dá para dizer que o nosso era o mais difícil. Acho que quando a primeira fase terminar, vai zerar tudo e começar uma nova competição", opinou.

As palavras do ala podem ser apenas o discurso cauteloso de um jogador que tem consciência de fazer parte de uma seleção campeã, mas uma coisa é certa: Vinícius fará de tudo para coroar a sua recuperação fantástica com o título da Copa do Mundo de Futsal da FIFA 2012.