Ricardinho motivado para enfrentar amigos
© Getty Images

No próximo domingo, Portugal e Japão se enfrentam pela primeira vez na história da Copa do Mundo de Futsal da FIFA. Para o experiente Ricardinho, porém, a partida na cidade de Nkhon Ratchasima não deve reservar muitas surpresas. Atualmente defendendo as cores do Nagoya Oceans, o jogador de 27 anos terá como adversários nada menos que cinco companheiros de clube.

Além de Arnaldo, Ricardinho é o único jogador português a atuar no exterior. E o confronto com os japoneses terá um sabor todo especial para ele. "Vou jogar contra cinco colegas de time e diante de amigos", explica. "Não vai ser fácil, porque eles conhecem o meu jogo e treinam comigo, mas vou dar tudo por Portugal."

Ricardinho elogiou a seleção nipônica e disse que é preciso tomar cuidado com Kaoru Morioka e Katsutoshi Henmi, com quem ele joga no clube de Nagoya. "A equipe japonesa é forte e acredito que o Morioka e o Henmi podem fazer a diferença", afirma o português. "Eles são muito talentosos. Para mim, são os dois melhores jogadores do Japão na atualidade."

Um grande talento
Ricardinho não é um jogador de futsal qualquer e vem mostrando isso ao longo da carreira. Em 2010, quando ainda jogava no Benfica, recebeu o prêmio anual de melhor do mundo. No ano seguinte, já com a camisa do Nagoya, marcou um gol simplesmente antológico contra o Pescadola Machida na liga japonesa. Utilizando os dois pés, ele encobriu o goleiro adversário e colocou a bola no fundo da rede. Tudo isso de costas para a meta.

O craque lusitano tentou repetir a jogada no final do jogo contra a Líbia, na estreia da seleção portuguesa na Copa do Mundo de Futsal da FIFA Tailândia 2012. Mas dessa vez o atacante Ahmed Fathe conseguiu tirar a bola em cima da linha, impedindo Ricardinho de marcar outro golaço. "Fiz aquele lance no Japão e o gol deu a volta ao mundo", recorda. "Tentei fazer novamente, mas os jogadores líbios estavam atentos. Mas foi apenas o primeiro jogo e ainda tenho outros truques na manga."

Apesar de inúmeras oportunidades, ele garante que a partida contra a Líbia não foi fácil. "Poderíamos ter aumentado o placar, mas os líbios mostraram um belo espírito combativo", aponta Ricardinho.

Esse verdadeiro mágico do futsal, com várias tatuagens espalhadas pelo corpo (inclusive uma bola de futebol e o nome Falcão no pé esquerdo), também falou sobre a evolução do esporte e os objetivos de Portugal na competição. "O futsal está crescendo no mundo todo e as equipes estão progredindo rapidamente", analisa. "No passado, sentimos a pressão e não mostramos o nosso melhor futsal. Este ano, vamos encarar um jogo de cada vez e com um máximo de concentração para chegarmos o mais longe possível."

No fim da entrevista, porém, Ricardinho sentou-se ao lado de Henmi e deixou bem clara a relação que mantém com os companheiros de clube. "Competição é na quadra; aqui fora, somos grandes amigos."