Etaeta: "As coisas vão ficar interessantes"
© AFP

É uma data que realmente entrou para a história do esporte do Taiti e que dificilmente vai sair da cabeça do treinador de sua seleção nacional, Eddy Etaeta. Tanto que, ao falar com o FIFA.com, ele cita o dia 10 de junho de 2012 sem titubear, o dia em que a equipe derrotou a Nova Caledônia por 1 a 0 na final da Copa das Nações da Oceania e assegurou sua classificação para a Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013. 

Etaeta conta que seus atletas cantaram músicas populares brasileiras para comemorar a vaga. Agora, a poucos meses do torneio, só aumenta a expectativa para que eles possam curtir in loco o clima do país do futebol e, principalmente viver a experiência de disputar uma competição desse porte e tirar proveito disso para seu desenvolvimento. 

Confira na entrevista abaixo o que o treinador projeta para a seleção taitiana em um ano que promete ser inesquecível, com direito a confrontos com craques de Espanha e Itália:

FIFA.com: Você poderia nos contar qual foi a primeira coisa em que pensou quando venceu a Copa das Nações da Oceania?
Eddy Etaeta:
É fato que o dia 10 de junho de 2012, o dia da final da Copa das Nações da Oceania, foi o máximo de nossos sonhos, de jogar no Brasil na próxima Copa das Confederações. Quando ouvimos o apito final e vencemos, foi realmente um sonho. Cantamos algumas músicas famosas do Brasil e explodimos de alegria. Foi formidável e histórico se classificar para a Copa das Confederações.

Vocês conseguem imaginar como será o clima da competição durante toda a Copa das Confederações da FIFA no Brasil? Como será participar disso?
Para nós é algo inacreditável fazer parte disso: a atmosfera em torno do futebol e dos jogos. A atmosfera nos estádios e nos arredores será excepcional e memorável para nós e os jogadores do Taiti, que estão tão distantes de um cenário como esse. Acredite: estar no Brasil é um sonho para nossos jogadores. Estamos cientes do prazer que nos espera.

Para o futuro do futebol no país, qual a diferença que disputar uma Copa das Confederações pode fazer?
Bastante. Já falamos sobre isso em nossa federação: depois da Copa das Confederações, as coisas vão ficar interessantes. Isso vai nos dar uma perspectiva sobre nossos jogadores e sobre a melhor forma de se jogar. Hoje, somos amadores. Temos apenas um jogador profissional que atua na Grécia. No futuro, espero que outros possam se profissionalizar também. Acho que isso é obrigatório para que possamos disputar competições de alto nível, nos classificar para a Copa do Mundo e jogar a Copa das Confederações sendo competitivos. Veja a Nova Zelândia. No passado, uma vez que eles disputaram esses torneios, passaram a ter jogadores no exterior. Então é essa perspectiva que teremos para depois da Copa das Confederações.

Há um aspecto psicológico que precisa ser lidado com seus jogadores, para que eles atuem normalmente no mesmo campo com jogadores famosos como Andrés Iniesta e Luis Suárez?
Bem, depois de vencer a Copa das Nações, jogar a Copa das Confederações é algo incrível. Mas ficar apreensivo em jogar diante de 80 mil pessoas, da cobertura de mídia em torno de meus atletas e enfrentar caras como Xavi, Iniesta e Neymar? Espero que meus jogadores não fiquem tão tensos, e meu estafe vai ajudar a prepará-los para isso, para que não sejamos completamente carregados pela atmosfera nos jogos da próxima Copa das Confederações.

E você já pensou em um modo de enfrentar seleções como Espanha ou Uruguai?
Quando chegar a hora de enfrentar essas grandes seleções, alguns dos melhores momentos, vamos nos perguntar: devemos atacar ou passar nosso tempo defendendo? Preciso ser honesto e dizer que estou um pouco apreensivo sobre como abordar esses jogos taticamente. Mas nos defendemos bem, isso é certo. Se conseguirmos, como disse para meus jogadores, se não levarmos nenhum gol por um tempo, isso seria ótimo. Mas, se marcarmos um gol, seria excelente também. Temos de ser realistas, pois haverá grandes equipes por lá, mas temos de trabalhar bem duro em termos de tática nos próximos seis meses para nos prepararmos para isso.

Bom, de todo modo, 2013 promete ser um ano histórico para o Taiti, não?
Realmente, 2013 vai ser ótimo para um pequeno país de 250 mil pessoas como o nosso, que vai jogar a Copa das Confederações em junho e, depois, em setembro, vai organizar a Copa do Mundo de Beach Soccer. Estes são dois grandes torneios que, na minha opinião, poderão mostrar que temos condições organizar eventos deste porte, e isso é importante tanto para a visão econômica como para um plano social e a atração de turistas. As pessoas vão poder, então, conhecer melhor nosso país em todo o mundo.