Khumalo: "Precisamos criar uma nova história"
© Getty Images

Se tudo correr bem, Bongani Khumalo entrará para a história no dia 19 de janeiro como o terceiro capitão da seleção da África do Sul em uma grande competição disputada no próprio país. Seguindo os passos de Neil Tovey (Copa Africana de Nações 1996) e Aaron Mokoena (Copa das Confederações da FIFA 2009 e Copa do Mundo da FIFA 2010), Khumalo comandará o selecionado contra Cabo Verde no jogo de abertura da Copa Africana de Nações 2013. 

Remanescente do grupo que disputou a Copa das Confederações da FIFA 2009 e a Copa do Mundo da FIFA 2010, Khumalo é, hoje, um dos jogadores mais experientes do país. No entanto, comandar a seleção em uma competição tão importante será uma nova experiência para o atleta de 25 anos, que foi recentemente emprestado pelo Tottenham ao PAOK da Grécia.

E, com um lugar na Copa das Confederações da FIFA 2013 em jogo, o capitão está determinado a não fracassar em sua primeira missão. "É difícil encontrar palavras para descrever o que sinto ao saber que serei o capitão da seleção na competição", diz. "É um sonho que se realiza. Nunca imaginei que algo assim seria possível. Sou muito grato por estar neste lugar e pela confiança que o treinador e os outros depositaram em mim. Isso me deixa mais humilde, e espero que seja capaz de motivar os companheiros de equipe rumo ao sucesso."

Antes do jogo de abertura, Khumalo e os outros jogadores do plantel têm sido constantemente questionados sobre a vitoriosa seleção de 1996, algo que incomoda um pouco o elenco atual. "Faço parte de uma nova geração de jogadores, embora haja vários com experiência de Copa do Mundo", afirma. "A geração de 1996 tem sido mencionada repetidamente, e ela representou um grande momento para o futebol sul-africano. Mas agora, como anfitriões em 2013, é importante criar uma nova história. Aquele foi um período grandioso, mas, como jogadores, precisamos criar as nossas próprias lembranças. Temos uma equipe de jogadores em que acreditamos."

De olho na abertura
Os anfitriões foram sorteados para o Grupo A, junto de Cabo Verde, Angola e Marrocos, e o capitão diz que ele, assim como a maior parte do país, está focado na partida de abertura. "Embora existam várias seleções muito fortes na competição, é muito importante nos concentrarmos na primeira partida e nos desenvolvermos a partir dela", conta Khumalo. "Dito isso, é muito importante que comecemos com um bom jogo contra Cabo Verde. No fim, ela pode vir a ser a partida mais importante."

Jogador que iniciou a carreira futebolística no Arcadia Shepherds de Pretória, Khumalo afirma estar confiante de que a África do Sul pode ir longe na competição. "Temos um bom grupo de jogadores, queremos ter muitas conquistas e queremos jogar bem. No futebol o importante é obter conquistas. Como estamos jogando em casa, precisamos dar ainda mais para conquistar ainda mais."

Ele considera um fator importante para a equipe atual a conexão entre os integrantes do plantel, dizendo que há um forte espírito de equipe no elenco e que os jogadores mostram verdadeiro caráter. "Eu diria que temos um espírito vencedor e espero que isso transpareça quando a competição começar."

De soldado a capitão
Khumalo assumiu a braçadeira de Steven Pienaar, que recusou a oportunidade de jogar a Copa Africana. O capitão diz que nunca havia imaginado a possibilidade. "Não quero dizer nada sobre jogadores que não querem mais jogar pela sua seleção", observa. "É decisão deles, mas para mim é uma honra. Quando era jovem, eu costumava assistir aos jogos. Desde que entrei para a seleção, cada jogo é uma honra, independentemente de quantas partidas já joguei. Há sempre muitas pessoas assistindo, e elas esperam grandes feitos. Sempre estarei disponível para jogar pelo meu país."

O zagueiro, que nasceu na Suazilândia enquanto a mãe lá estudava, ingressou no time da Universidade de Pretória em Arcadia e depois passou para o Supersport United. Após a Copa do Mundo da FIFA 2010, ele foi convidado para fazer um teste no Tottenham, que o contratou. Depois de enfrentar dificuldades na Inglaterra, ele conseguiu se firmar como titular no PAOK. 

Khumalo acredita que o novo técnico da seleção sul-africana, Gordon Igesund, fará a diferença para a equipe. Da mesma forma que os colegas, ele está impressionado com a maneira como Igesund assumiu a tarefa. "O técnico chegou pouco antes de um grande torneio e tem ideias novas, além de um novo estilo de treinar," diz. "Ele inovou as coisas, introduziu novos jogadores e colocou em prática um novo esquema tático. Estou confiante de que as ideias funcionarão."