Echiejile: "Zâmbia é o maior adversário"
© AFP

Para o nigeriano Elderson Echiejile, a conquista de um terceiro título da Copa Africana de Nações em 2013 poderá ajudar a recuperar confiança da torcida na seleção. A última vez em que o país subiu ao topo do pódio foi na Tunísia, em 1994, quando Echiejile estava apenas começando a frequentar a escola na sua cidade natal, Benin City.

"Os torcedores perderam a fé na seleção depois de que não nos classificamos para a Copa de Nações de 2012", disse o atleta, que está disputando a UEFA Champions League pelo Braga. "Mas, se pusermos as mãos no troféu, o país inteiro vai voltar a nos apoiar. O nosso objetivo é vencer na África do Sul. Estamos otimistas e prontos para dar o nosso melhor."

Uma crítica feita com frequência à seleção da Nigéria é a de que vários dos seus astros, espalhados ao redor do globo, não conseguem jogar como uma equipe. Para o torneio de 2013, eles terão pelo menos duas semanas ininterruptas de preparação antes do jogo de estreia, no dia 21 de janeiro contra Burkina Fasso. No dia 17 de dezembro, a seleção realizará na Nigéria uma concentração com jogadores que atuam no próprio país, antes de passar um período em Portugal. O plantel completo vai se reunir na África do Sul em 4 de janeiro.

Segundo o atleta, o selecionado geralmente tem cerca de três ou quatro dias de preparação antes de um grande jogo. "Assim fica difícil entrosar os integrantes da seleção, que vêm de vários clubes diferentes", afirmou Echiejile, que fará 25 anos no dia anterior à partida contra Burkina Fasso. "Mas acreditamos que, em duas semanas, teremos alcançado um certo nível de entendimento entre nós".

Echiejile estava na seleção que disputou a Copa do Mundo da FIFA 2010. Um ano depois, para surpresa de todos, a equipe não se classificou para a Copa Africana disputada no Gabão e na Guiné Equatorial. Em novembro passado, o técnico Samson Siasia foi substituído pelo ex-capitão Stephen Keshi, que, um ano depois, classificou os nigerianos à sua 17ª participação no torneio continental. Em um país de 160 milhões de torcedores apaixonados, são altas as expectativas de que a Nigéria leve a taça no dia 10 de fevereiro em Johanesburgo.

De olho na Zâmbia
A seleção nigeriana vai disputar a primeira fase contra Zâmbia, Burkina Fasso e Etiópia. Os jogos do Grupo C serão realizados em Nelspruit, no nordeste da África do Sul, e a maior atenção gira em torno do duelo de 25 de janeiro contra a Zâmbia, que foi campeã continental neste ano, mas foi derrotada pela Nigéria nas quartas de final em 2010.

"Obviamente, o maior adversário do grupo é a Zâmbia", admitiu Echiejile. "Os zambianos têm um ótimo domínio de bola e estão com a confiança nas alturas depois do que conquistaram na competição passada. Sabemos que vamos ter de nos esforçar, mas somos bons o suficiente para derrotar qualquer seleção africana."

No entanto, Echiejile descartou qualquer possibilidade de menosprezar Burkina Fasso e Etiópia. "A Zâmbia continua sendo a nossa maior ameaça, mas também não podemos subestimar as outras seleções", insistiu. "Elas conquistaram o direito de estar na competição, e precisaremos derrotá-las para passar da fase de grupos."

.

Além da própria seleção, Echiejile elegeu Costa do Marfim e Gana como os outros dois favoritos para o torneio na África do Sul. "Nos quatro últimos torneios, a Costa do Marfim chegou sempre pelo menos às semifinais, e além disso tem grandes nomes como Didier Drogba e Yaya Touré", disse. "Muitos apostarão nos marfinenses, mas Gana também vem muito bem desde 2008", completou o lateral, que também representou a Nigéria nas categorias sub-17 e sub-20

Foram justamente os ganeses que impediram que a Nigéria chegasse à final do torneio de 2010 em Angola. "Foi bem doloroso perder aquele jogo contra Gana", relembrou Echiejile. "Eles tiveram uma chance e a aproveitaram, enquanto nós tivemos várias oportunidades de empatar e até de vencer o jogo, mas não fizemos o mesmo."

Porém, apesar da decepção por aquela eliminação, o jogador abre um sorriso quando fala de Angola 2010. Aquela foi a sua primeira Copa Africana, ao lado de ídolos como o capitão Nwankwo Kanu. "O destaque, para mim, foi a nossa grande vitória de 3 a 0 contra Moçambique depois da dificuldade que tínhamos enfrentado nas eliminatórias para a Copa do Mundo da FIFA 2010."

"Também foi muito bom superar as críticas e derrotar a Zâmbia nas quartas de final, e não poderia me esquecer de como os jogadores mais velhos da equipe me encorajaram tanto dentro quanto fora de campo. Depois daquele torneio, cresci como jogador e como pessoa."