Quando a Coroa Portuguesa decidiu iniciar o processo de colonização do Brasil, a primeira cidade a ser fundada no país foi Salvador, em 29 de março de 1549. Por essa razão, a cidade se tornou um dos principais polos do comércio de escravos da América do Sul. A conseqüência é que Salvador cresceu não só sob a influência dos portugueses, como também de africanos e indígenas. Tudo isso contribuiu para o clima de diversidade cultural que marca a cidade até hoje.

A presença de elementos africanos é frequente por toda a cidade, das rodas de capoeira, a mistura de dança e luta criada pelos escravos, no Mercado Modelo até a batida de agogôs e atabaques nos rituais do Candomblé. Essa forte herança trazida pelos escravos deu a Salvador o apelido de Roma Negra.

A topografia privilegiada de Salvador é outra atração, com a divisão clara entre Cidade Baixa e Cidade Alta, ligadas pelo grande cartão postal do local, o Elevador Lacerda. Nada, porém, se compara à importância do Pelourinho. O centro histórico, as suas igrejas e casas coloniais, todas coloridas, são patrimônio histórico da humanidade da UNESCO desde 1985.

Além de ser uma joia histórica e o local de nascimento de alguns dos artistas mais importantes do país, a capital da Bahia é ainda o centro econômico do Nordeste e a terceira cidade mais populosa do Brasil, com pouco mais de 3 milhões de habitantes.

Futebol

Não é surpresa ver, a cada edição do Campeonato Brasileiro, somando as séries A, B, C e D, um time de Salvador dono da melhor média de público da temporada. Os soteropolitanos, sejam eles torcedores de Bahia ou Vitória, são completamente apaixonados pelo futebol.

Os dois rivais dominam o cenário estadual e contam com um histórico nacional invejável: o Bahia foi campeão brasileiro em 1988 e conquistou a Taça Brasil de 1959. O Vitória é dono de três títulos da Copa do Nordeste e de um vice-campeonato do Brasileirão, em 1993. O Leão também é famoso como celeiro de craques: as suas categorias de base produziram, por exemplo, campeões do mundo como Bebeto e Dida.

Um dos pontos altos de uma visita a Salvador — comparável, inclusive, a passar o carnaval na cidade — é assistir a um Ba-Vi, o clássico local.

Atualmente, os dois estádios de Salvador são o Barradão (de propriedade do Vitória) e Pituaçu (pertencente ao governo do Estado e utilizado pelo Bahia). Mas o grande palco do futebol baiano é a Fonte Nova, demolida e reconstruída para abrigar três partidas da Copa das Confederações da FIFA e outras seis da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 - inclusive uma das quartas de final.