"O Estrela Vermelha é a minha vida, nada mais tem importância" e "Eu daria a minha vida pelo Partizan" são alguns dos cantos que sobem das arquibancadas a cada edição do clássico de Belgrado. Os hinos dão uma boa ideia da paixão que cerca o duelo e do amor que os torcedores dedicam às suas camisas. Junte-se a isso rivalidades políticas, sociais e culturais e dois estádios separados por poucos metros e será possível compreender que os gigantes sérvios têm tudo para se detestarem cordialmente.

Embora o nível do "dérbi eterno" — Večiti Derbi para os seus protagonistas — tenha sofrido com a desintegração da Iugoslávia e a saída regular dos melhores talentos, a antipatia não diminuiu e talvez tenha até aumentado, para compensar a frustração do interesse esportivo. Assim, toda vez que acontece o encontro, há 60 anos, os Delije ("heróis") do Estrela Vermelha e os Grobari ("coveiros") do Partizan rivalizam em imaginação para incendiar o estádio — o que nem sempre é uma metáfora...

As origens
Nascidos com poucos meses de diferença, o Estrela Vermelha e o Partizan se originaram de dois órgãos políticos, como era comum nos países do leste europeu do pós-guerra. O Estrela foi criado no dia 4 de março de 1945 e representa o Partido Comunista. Já o Partizan foi fundado pelo Exército exatamente setes meses depois, em 4 de outubro. Assim como os clássicos entre Steaua e Dínamo em Bucareste ou Levski e CSKA em Sófia, o convívio entre Crveno-beli (alvirrubros) e Crno-beli (alvinegros) na Iugoslávia logo se tornou uma luta de poder entre os ministérios do Interior e da Defesa.

No entanto, para além desta guerra de influências, o dérbi de Belgrado adquiriu notoriedade sobretudo graças à qualidade das partidas. Em um país onde as crianças expressam o seu talento em todos os esportes e exibem grande desenvoltura técnica desde a mais tenra idade, os clubes sempre contaram com verdadeiros artistas da bola nas suas equipes e, durante muito tempo, o futebol sérvio foi considerado um dos melhores da Europa. A rivalidade ficou ainda mais forte após a fragmentação do futebol iugoslavo, já que o Hajduk Split e o Dínamo de Zagreb passaram a competir no Campeonato Croata.

Alguns números
O primeiro confronto aconteceu em janeiro de 1947 e terminou em vitória do Estrela Vermelha por 4 a 3. Contudo, ao final da temporada, foi o Partizan que levantou a taça da copa e do campeonato. O Zvezda (Estrela) teve de esperar até 1951 para conquistar o primeiro título de campeão nacional, embora tenha sido tricampeão da Copa da Iugoslávia entre 1948 e 1950. Desde então, o Partizan conta com 21 títulos (11 do Campeonato Iugoslavo e dez do Campeonato Sérvio) contra 25 do Estrela Vermelha (19 na era iugoslava).

Nas 137 edições do clássico válidas pelo campeonato, a balança pende para o lado dos alvirrubros, com 57 vitórias para 37 derrotas e 53 empates. A hegemonia se confirma também pelo número de gols marcados: 207 contra 168. Atualmente, porém, são os alvinegros que têm levado a melhor. Eles não perderam nenhum dos últimos seis dérbis.

Curiosidades e pequenas frases
Como em todos os clássicos, os torcedores desempenham um papel fundamental. Os Delije do Estrela Vermelha são, mesmo contra a vontade, responsáveis pelo alcunha dos rivais. Na década de 1970, eles ridicularizaram os adversários apelidando-os de "coveiros", já que o uniforme do time lembrava o dos funcionários dos cemitérios. Sem se abalarem, os alvinegros consideraram a designação intimidante e hoje a reivindicam com orgulho.

Outro tema de provocação: durante muito tempo, o Partizan se gabou de ser o primeiro clube do leste da Europa a ter chegado à final da Liga dos Campeões em 1966, embora tenha perdido para o Real Madrid. Mas as gozações duraram só até 1991, ano em que o Estrela Vermelha se sagrou campeão europeu. Desde então, e com a vitória na Copa Intercontinental logo em seguida, os Delije entoam a cada dérbi um "Estrela, da Sérvia à Tóquio", ao qual se segue obrigatoriamente um "Partizan, da Sérvia à... Sérvia."

Milan Bisevac, jogador do Lens e ex do Estrela Vermelha, não esqueceu o sabor desses duelos. "Em semana de clássico, a gente sente uma atmosfera diferente, a pressão começa a aumentar já na segunda-feira", conta o zagueiro. "É uma grande partida em um ambiente fantástico. No vestiário do Maracanã, antes do jogo, já dá para ouvir as torcidas. É de arrepiar." No Estádio Crvena Zvezda do Estrela Vermelha, mais conhecido como Maracanã de Belgrado, podiam se reunir mais de 100 mil pessoas quando a arena foi inaugurada. Em um clássico contra o Partizan, chegou a receber 108 mil torcedores!

Na atualidade
Na sua 138ª edição, o clássico eterno não poderia acontecer em momento mais propício. A três rodadas do fim do Campeonato Sérvio, o Partizan — campeão nos últimos dois anos e invicto na temporada — tem apenas um ponto de vantagem sobre o rival. Caso vença em casa, no Stadion Partizana, o clube ficará muito perto de conquistar o seu 11º título nacional. Já o Estrela Vermelha não levanta o caneco desde 2007. Para os seus fiéis seguidores, uma eternidade — como o tempo que ainda vai durar a rivalidade entre os dois gigantes de Belgrado.