"Azul e branco toda a vida." Não é fácil tirar da cabeça o grito que vem das arquibancadas depois de assistir a uma partida do Schalke 04 na Arena AufSchalke. A impressão que fica é de que a torcida azul real repetiria sem parar esse cântico mesmo que o jogo durasse um dia inteiro.

A canção entoada ininterruptamente pelos torcedores mostra exatamente a importância para eles do clube da cidade de Gelsenkirchen. O Schalke 04 é mais do que um simples time de futebol, é quase uma religião. Pelo menos isso é o que dizem os milhões de apaixonados torcedores da equipe e também os seus mais de 90 mil sócios.

O nascimento
Os primeiros anos de existência do clube foram um tanto turbulentos. Tudo começou no dia 4 de maio de 1904, quando um grupo de garotos entre 14 e 15 anos decidiu fundar um time de futebol chamado Westfalia Schalke.

Oito anos mais tarde, o Westfalia Schalke se uniu ao clube de atletismo 1877 Schalke para começar a disputar torneios oficiais, mas as duas equipes se separaram novamente em 1924. Nascia então o Schalke 04. As cores do time foram alteradas de vermelho e amarelo para azul e branco, e foi assim que se iniciou uma história de muito sucesso.

Duas expressões estão profundamente associadas aos azuis reais: "os piões do Schalke" e "campeão do coração". A primeira se refere ao estilo de jogo praticado pelo clube nos seus primórdios e celebrado até hoje: a equipe jogava um futebol elegante e de toque de bola que se tornou um símbolo da época de Fritz Szepan e Ernst Kuzorra, dois antigos ídolos do time de Gelsenkirchen.

Foi na mesma época que os jogadores do Schalke ganharam o apelido de "mineradores", pois os atletas de então estavam ligados à indústria local de mineração. Muitos mineiros costumavam assistir às partidas do clube e, por isso, o Schalke ficou conhecido como uma equipe de trabalhadores, na qual o futebol era construído com muito trabalho se necessário.

"É o clube do oeste", disse certa vez o historiador Ralf Piorr, tentando descrever o mito por trás da equipe. "O Schalke 04 colocou pela primeira vez a região do Ruhr no mapa." O ex-diretor do Schalke Rudi Assauer concorda: "As pessoas do Ruhr amam o futebol e vivem por esse esporte".

O crescimento
A trajetória dos azuis reais se iniciou nas minas, passou pelo oeste da Alemanha e acabou conquistando todo o país. Entre 1933 e 1942, o Schalke chegou a nove finais do Campeonato Alemão e venceu seis títulos (1934, 1935, 1937, 1939, 1940 e 1942). Além disso, em 1937 a equipe ganhou também a Copa da Alemanha.

No entanto, o clube teve dificuldades para manter o mesmo sucesso após a Segunda Guerra Mundial. O Schalke conquistou mais um Campeonato Alemão em 1958 e outra Copa da Alemanha em 1963, mas ficou longe de voltar a dominar o futebol do país. Na realidade, o seu objetivo, geralmente, era apenas se manter na primeira divisão.

Em 1972, o Schalke venceu novamente a Copa da Alemanha, comandado pelo famoso atacante Reinhard Libuda, mas o clube se envolveu em um escândalo na Bundesliga e as esperanças do retorno aos dias de glória foram enterradas novamente. Durante a década de 1980, a equipe foi rebaixada três vezes para a segunda divisão, em 1981, 1983 e 1988, conseguindo voltar para a primeira divisão logo no ano seguinte em duas oportunidades. Apenas da terceira vez o time de Gelsenkirchen permaneceu três anos na segundona.

O presente
Atualmente, o Schalke 04 é um dos principais clubes da Alemanha, embora não conquiste o Campeonato Alemão há mais de meio século. No entanto, a equipe levantou algumas taças de outras competições nos últimos anos, vencendo a Copa da Alemanha duas vezes (2001 e 2002) e conquistando até um título internacional. Em 1997, o Schalke impressionou a todos pelo seu estilo combativo e derrotou a Internazionale de Milão na disputa por pênaltis na final da antiga Copa da UEFA. "Todos no elenco estavam muito entusiasmados, praticamente possuídos", relembra Mike Büskens, ex-meio-campista da equipe. "Sabíamos que podíamos alcançar um feito histórico. E foi o que fizemos."

Como mencionado acima, os azuis reais têm mais um apelido: "campeão do coração". Mas essa é uma alcunha que os torcedores prefeririam que não existisse.

O Schalke 04 se tornou o "campeão do coração" na temporada 2000/01. Na última rodada da Bundesliga, o Bayern de Munique tinha três pontos a mais do que o time de Gelsenkirchen, mas estava atrás no saldo de gols. Em uma partida dramática, o Schalke derrotou o Unterhaching por 5 a 3 e ficou torcendo para que o Hamburgo derrotasse o Bayern no jogo paralelo. Por alguns momentos, pareceu que tudo iria dar certo, já que o Hamburgo fez 1 a 0 aos 45 minutos do segundo tempo. Acreditando que o jogo do Bayern terminaria logo depois do gol, torcedores, jogadores e dirigentes do Schalke começaram a se abraçar e a comemorar muito a conquista do oitavo título nacional.

Mas a partida em Hamburgo ainda não havia terminado. O telão no estádio do Schalke estava exibindo os últimos instantes do outro jogo e, no último ataque, o Bayern deixou tudo igual em uma cobrança de falta. O recordista de títulos alemães havia conseguido o empate literalmente no último segundo e se sagrado campeão por um ponto de vantagem. As imagens de decepção dos torcedores azuis reais correu o mundo, e todos na região do Ruhr se derramavam em lágrimas. "Após aquela partida, deixei de acreditar nos deuses do futebol", lamentou-se Assauer. "Éramos a equipe mais simpática e que jogou o melhor futebol", adicionou Thomas Möller. Havia acabado de nascer o "campeão do coração".

Embora tenha começado como um clube de trabalhadores, o Schalke 04 se tornou uma das principais equipes da Bundesliga nos últimos anos. O elenco atual conta com astros como o espanhol Raúl, o vice-campeão mundial Jan-Klaas Huntelaar e o goleiro da Alemanha, Manuel Neuer. E todos eles têm o mesmo objetivo: conquistar o título alemão após um jejum de 50 anos.

O estádio
"Nunca havia existido um estádio como este no mundo." O elogio à Arena AufSchalke foi proferido por ninguém menos do que o presidente da FIFA, Joseph S. Blatter. A UEFA atribuiu ao complexo esportivo o status de "estádio cinco estrelas", a categoria mais alta que existe, ressaltando que "a arena satisfaz a absolutamente todas as exigências e mereceria até mesmo receber seis estrelas."

Em 2001, o Schalke passou a mandar os seus jogos na arena mais moderna da Europa. Com uma capacidade para 61.673 espectadores em jogos da Bundesliga e 54.142 em jogos internacionais (devido à proibição de lugares de pé), o complexo esportivo multifuncional teve um custo de 350 milhões de marcos. Entre as suas características mais modernas estão um teto retrátil que pode ser colocado em cerca de 15 minutos e um gramado móvel que pode ser retirado para shows. Por fim, também há uma capela no local, onde podem ser celebrados casamentos.