Brasil comemora e mira o Taiti

A Seleção brasileira de futebol de areia tem uma única missão em mente: recuperar o título perdido para a Rússia na final da Copa do Mundo de Beach Soccer da FIFA Ravena 2011. Em busca desse objetivo, foi nomeado para o comando da equipe ninguém menos que Júnior Negão, que como jogador ajudou o Brasil a vencer três das suas quatro taças de campeão mundial.

Ao que tudo indica, o novo técnico está no caminho certo. Na estreia no cargo, ele levou a seleção canarinho a uma vitória irrepreensível na IX Copa América, torneio quadrangular organizado anualmente pela Confederação Brasileira de Beach Soccer, que contou com a participação do México (vice-campeão), da Argentina (terceira colocada) e dos Estados Unidos (quarto).

Sem medo de ser Brasil
O saldo de três vitórias em três partidas, ainda que previsível, dá confiança ao Brasil para a disputa das eliminatórias para a Copa do Mundo de Beach Soccer da FIFA Taiti 2013, que terá lugar na Argentina durante a segunda semana de fevereiro. "Fizemos um bom campeonato, não poderíamos ter começado melhor a busca do nosso objetivo, que é a classificação para o Mundial", disse o zagueiro Bueno, que foi eleito o melhor jogador da competição, após ter ficado de fora de Ravena 2011 e de ter amargado uma lesão que o afastou das arenas por um ano e meio.

Nem mesmo a contusão de Mão, eleito melhor goleiro do último Mundial, foi capaz de frear o Brasil. Na Copa América, esse reconhecimento coube a Fanta, que brilhou debaixo das traves verde-amarelas, enquanto os experientes André, Buru e Benjamin davam conta do recado com a bola nos pés. "Jogamos como Brasil, assumindo a responsabilidade de se contar com os melhores jogadores", analisou Júnior Negão após o último dia de disputas, que reuniu 2.500 espectadores nas areias de Santos. "Não podemos ter medo, devemos sair para buscar a vitória com alegria e estilo. Era isso que o público queria."

México segue evoluindo
O México voltou a dar trabalho aos adversários nas areias. Desde a chegada de Ramón Raya ao comando da equipe, os astecas disputaram três das últimas quatro edições da Copa do Mundo de Beach Soccer da FIFA, tendo alcançado um surpreendente vice-campeonato no Brasil 2007 e dificultado a vida da Rússia, futura campeã, nas quartas de final de Ravena 2011.

Em Santos, o México mostrou a sua qualidade mais uma vez, vencendo a Argentina por 6 a 3 e os Estados Unidos por 2 a 0, antes de sucumbir diante do Brasil pelo apertado placar de 4 a 2. O segundo lugar garantiu aos mexicanos uma vaga na Copa das Nações, a ser realizada na mesma cidade do litoral paulista, entre os próximos dias 25 e 27 de janeiro. Eles enfrentarão novamente o Brasil, mas também a Suíça, vice-campeã mundial em 2009, e a Holanda, já classificada para o Taiti 2013. "Esses torneios nos fortalecem para a disputa das eliminatórias", analisou Morgan Plata, artilheiro da Copa América ao lado do compatriota Ricardo Villalobos, com três gols.

E o que mais?
A terceira colocação ficou com a Argentina, que bateu os EUA na última rodada por 3 a 1. A Albiceleste agora concentra todas as suas forças nas eliminatórias sul-americanas, que jogará em casa, com a pressão de se manter no seleto clube dos países que nunca ficaram de fora de uma Copa do Mundo de Beach Soccer da FIFA. Os americanos, por sua vez, continuam o seu longo processo de renovação, mas não perdem as esperanças de encerrar o jejum de participações e voltar a disputar um Mundial pela primeira vez desde 2007.