Cristiano Ronaldo
© AFP

O ano de 2013 foi, como sempre, recheado de golos para Cristiano Ronaldo. O astro português terminou o ano com qualquer coisa como 69 golos marcados: 59 pelo Real Madrid e 10 pela seleção portuguesa. Sempre ao mais alto nível pelo Real Madrid e por Portugal, o avançado, que venceu o prémio de Melhor Jogador do FIFA Ballon d’Or de 2008, é cada vez mais um símbolo dos Merengues, e por isso não admirou que tivesse renovado o contrato com o clube até 2018 e que até pondere acabar a carreira no gigante madrileno.

A vida sempre rodou em torno do futebol e do estrelato. Baptizado em honra de Ronald Reagan, o ator preferido do pai que até se tornou presidente dos Estados Unidos, Cristiano Ronaldo cedo mostrou o talento que o haveria de tornar num dos maiores futebolistas de sempre a nível mundial.

Mas não é só de talento que se faz a vida, sobretudo no futebol. Depois de começar a jogar num pequeno clube madeirense chamado Clube Futebol Andorinha chegou ao Nacional da Madeira e, aos 11 anos, enfrentou o maior desafio da vida.

Ainda criança deixou a ilha da Madeira para, totalmente sozinho, viajar para Portugal continental e juntar-se à famosa academia de formação do Sporting Clube de Portugal. As dificuldades a nível pessoal por estar longe da família não o impediram de continuar a evoluir e fez história em Alvalade ao tornar-se no primeiro jogador a atuar nas equipas Sub-16, Sub-17, Sub-18, equipa B e equipa principal na mesma época!

Marcou dois golos na estreia oficial pelos Leões, mas, por essa altura, o seu talento já quase não cabia no futebol português. No jogo de inauguração do Estádio José de Alvalade, o Sporting recebeu o convidado Manchester United e quando Sir Alex Ferguson viu aquele jovem irreverente de apenas 18 anos não teve dúvidas. Estava encontrado o sucessor de David Beckham em Old Trafford.

A carreira em Inglaterra foi recheada de golos e exibições maravilhosas e, por isso, o mundo não ficou chocado quando, em 2009, se transferiu para o Real Madrid por um valor recorde a nível mundial. Por essa altura, já há muito tempo que era uma das principais referencias da seleção portuguesa, onde já é o melhor marcador de todos os tempos, juntamente com Pauleta, com um total de 47 golos.

Participou nas fases finais dos Campeonatos da Europa de 2004, 2008 e 2012 e da Copa do Mundo da FIFA 2010, alem, claro, de ter vencido o prémio Jogador do Ano do FIFA Ballon d’or 2008 e de ser o primeiro agraciado com o Prémio Puskas da FIFA, em 2009.

Como tantos outros, 2013 foi um ano recheado de golos para Cristiano Ronaldo que, agora, se torna no primeiro português a ganhar a segunda Bola de Ouro na carreira, depois das distinções a Eusébio e Luís Figo.