No futebol, opinião também garante título. E embora todo mundo tenha o seu próprio juízo a respeito de quem merece ganhar a Bola de Ouro FIFA 2012, cabe aos técnicos e capitães de seleções e aos profissionais da imprensa decidir se Cristiano Ronaldo, Andrés Iniesta ou Lionel Messi receberá o prêmio de maior prestígio do mundo da bola no dia 7 de janeiro de 2013, no Kongresshaus de Zurique.

O vencedor será um dos muitos homenageados na Gala da Bola de Ouro FIFA. Já a votação que determinará o melhor time do ano está aberta a todos os jogadores, enquanto você, torcedor, poderá participar da festa palpitando no Bolão da Seleção Mundial da FIFA/FIFPro. Para isso, basta analisar a lista de 55 candidatos e escolher um goleiro, quatro defensores, três meio-campistas e três atacantes até o prazo final, no dia 4 de janeiro de 2013. Se a sua equipe for igual àquela decidida pelos votos de mais de 50 mil profissionais do futebol, você estará automaticamente classificado para o grande sorteio, podendo ganhar uma camisa adidas autografada por todos os 11 jogadores da seleção mundial.

Entre os que já votaram está Gianluigi Buffon, um dos cinco goleiros candidatos, ao lado de Iker Casillas, Petr Cech, Joe Hart e Manuel Neuer. O camisa 1 da Juventus e da Itália também disputou a posição nas três edições anteriores do prêmio FIFA/FIFPro World XI, mas em todas elas perdeu para o arqueiro do Real Madrid e da Espanha (Casillas, Iniesta, Messi, Cristiano Ronaldo e Xavi integraram a seleção mundial nas três ocasiões). No entanto, apesar do desejo de ser escolhido e da regra que permite aos jogadores votarem em si mesmos, Buffon gentilmente apontou Cech para o gol, quando ele e os companheiros de clube Lúcio, Giorgio Chiellini e Claudio Marchisio tiveram de eleger os destaques de 2012.

Historicamente, jogadores que atuam na Itália têm encontrado mais dificuldades para chegarem à Seleção Mundial da FIFA/FIFPro. Lúcio, Maicon e Wesley Sneijder, eleitos em 2010 pela bela temporada com a Inter de Milão, foram os únicos escolhidos em três anos. Já o Campeonato Francês nunca teve um atleta eleito entre os melhores do ano. Jérémy Ménez, Javier Pastore, Thiago Silva e os colegas de Paris Saint-Germain eram só sorrisos no momento de depositarem os votos na urna. Será que algum deles, ou talvez outro jogador da Ligue 1, sorrirá de orgulho na Gala?

Não foram apenas os jogadores dos grandes clubes das principais ligas europeias que tiveram a oportunidade de votar. Gareth Sciberras, meio-campista do Birkirkara e da seleção de Malta, não escondeu a felicidade por ter voz na eleição. "É um orgulho fazer parte da grande família do futebol que está votando em diferentes países", disse. "Ser eleito para a Seleção Mundial da FIFA/FIFPro é um grande prestígio para um jogador, porque é uma escolha dos próprios colegas de profissão."

O experiente meio-campista zimbabuano Desmond Maringwa, que preside o sindicato de jogadores do seu país, não poupou esforços para que os compatriotas também participassem da eleição global. "Procuramos todos os nossos afiliados nos times da liga nacional, como Highlanders, Shabanie Mine, Hardbody, Dynamos, Gunners, Caps United, Blue Rangers, Chicken lnn, Monomotapa, Hwange, Quelaton, Motor Action, Harare City e Black Mambas", explicou. "Todos os jogadores estavam muito contentes por poderem contribuir para essa votação tão importante. Nós do sindicato estamos muito orgulhosos de que os jogadores do Zimbábue possam mostrar que também fazem parte da grande família do futebol."

Agora a sua missão é tentar prever a seleção mundial escolhida pelos zimbabuanos e pelos outros milhares de profissionais da bola em todo o planeta. Boa sorte!