Silvia Neid
© Getty Images

Silvia Neid já havia provado, mais de uma vez, ser capaz de montar grandes seleções com grandes estrelas. Em 2013, porém, a treinadora da equipe feminina da Alemanha confirmou que também pode conquistar títulos internacionais com um grupo formado apenas por jovens atletas. Sem nomes consagrados, ausentes do plantel devido a lesões, as germânicas venceram o sexto título europeu seguido na Suécia — mesmo sendo a seleção mais jovem do torneio, com com uma média de idade de 23,5 anos. A técnica de 49 anos, que comanda o país desde 2005 e cujo currículo ostenta o título mundial de 2007 e o prêmio de Treinadora do Ano da FIFA de 2010, apresentou ao mundo a nova e vitoriosa geração do futebol feminino alemão.

Seja como jogadora ou como treinadora, o sucesso sempre esteve ao seu lado. Os seus primeiros passos no futebol já foram muito promissores. No seu primeiro jogo pela Alemanha, em novembro de 1982 contra a Suíça, então com apenas 18 anos, Neid entrou no decorrer da partida e marcou dois gols na goleada por 5 a 1. A partir daquele momento, esta especialista na criação de jogadas se tornou a primeira grande estrela do futebol feminino alemão.

Neid participou diretamente de todas as oito conquistas da sua seleção na Eurocopa Feminina, fosse como jogadora, coordenadora técnica ou treinadora. Como atleta, venceu oito Campeonatos Alemães e seis Copas da Alemanha. Como treinadora, foi campeã da Copa do Mundo Feminina da FIFA China 2007, saindo da sombra da sua antológica antecessora, Tina Theune, que deixou a equipe em 2005.

No seu país e em todo o mundo, é admirada pela sua enorme competência e pelo jeito elegante, alegre e sincero. Além disso, não é o tipo de pessoa que vive apenas das glórias do passado, o que fica evidente ao observarmos a situação atual da seleção alemã nas eliminatórias para o próximo Mundial Feminino – as germânicas estão na liderança do seu grupo, com cinco vitórias em cinco jogos e um impressionante saldo de 40 gols marcados e nenhum sofrido.

No entanto, até mesmo a ambiciosa Neid já sofreu reveses e recebeu críticas. Depois da decepcionante eliminação nas quartas de final da Copa do Mundo Feminina da FIFA Alemanha 2011, muitas pessoas acreditavam que havia chegado o momento de trocar o comando do selecionado, mas Neid permaneceu no cargo e calou os detratores com mais um título europeu em 2013.