A FIFA e o meio ambiente
© Foto-net

A FIFA encara seriamente a sua responsabilidade ambiental. Questões como o aquecimento global, a conservação ambiental e o manejo sustentável recebem destaque durante a Copa do Mundo da FIFA e também são uma preocupação constante da entidade máxima do futebol mundial. É por isso que a FIFA vem trabalhando com os seus parceiros e todas as outras instituições para encontrar formas sensatas de tratar da ecologia e reduzir os impactos ambientais negativos vinculados às suas atividades.

Sede da FIFA sem emissões de poluentes
A nova sede da FIFA, que vem sendo usada desde 2006, definiu novos padrões ambientais. A maior prioridade foi dada a um conceito energético ecológico e econômico vinculado a instalações modernas e integradas harmonicamente à área recreativa das redondezas. Com esse pano de fundo, a FIFA decidiu construir um prédio que não emitisse poluentes. Ela cumpriu com os seus objetivos ao rejeitar os combustíveis fósseis e as emissões de CO2, também implantando tecnologias de eficiência energética e a melhor combinação dos sistemas de aquecimento e arrefecimento. Quando o prédio precisa dos dois ao mesmo tempo, a bomba de calor remove calor da rede de arrefecimento e o transfere à rede de aquecimento.

Green Goal
A FIFA incentiva e trabalha com os comitês organizadores locais no que se refere à proteção ambiental desde 2005, quando o Comitê Organizador Alemão lançou o programa ecológico Green Goal para a Copa do Mundo da FIFA 2006. A FIFA investiu 400 mil euros em um projeto de compensação de emissões de dióxido de carbono na África do Sul para desenvolver um sistema de geração de eletricidade com o uso de gás proveniente do tratamento de esgoto no município de Seboken, na província de Gauteng. O projeto foi desenvolvido pelo Comitê Organizador Alemão e pela organização suíça Myclimate para compensar as 92 mil toneladas de inevitáveis emissões de dióxido de carbono durante a competição. Também contribuíram com o programa Green Goal e com os projetos de compensação a DFB, a Deutsche Telekom e a PlasticsEurope.

Inspirado pelo Green Goal 2006 e pelas experiências anteriores com grandes eventos internacionais na África do Sul, o Comitê Organizador Sul-Africano desenvolveu um programa Green Goal para a Copa do Mundo da FIFA 2010. Juntamente com a Secretaria Nacional de Meio Ambiente, o Comitê Organizador Local implantou diversos projetos envolvendo cidades-sede, órgãos governamentais, ambientalistas locais e parceiros internacionais como o PNUMA.

O Comitê Organizador Local da Copa do Mundo Feminina da FIFA Alemanha 2011 lançou o programa Green Goal 2011 no início de 2010, aproveitando as experiências de 2006 para expandir o projeto ambiental. A FIFA faz parte deste programa ambicioso juntamente com o COL e o Oeko-Institut, importante instituição europeia de pesquisa e consultoria que trabalha em prol de um futuro sustentável.

Copa do Mundo da FIFA em 2018 e 2022
Ao garantir a manutenção do seu compromisso com o meio ambiente, a FIFA decidiu incluir a proteção ambiental em futuros contratos de organização de competições, começando com o processo que definiu as sedes das edições de 2018 e 2022 da Copa do Mundo da FIFA. A FIFA exigiu informações completas sobre o planejamento de atividades para evitar, reduzir e compensar os impactos ambientais negativos da organização de uma Copa do Mundo da FIFA.

Os candidatos tiveram de cumprir com os requisitos a seguir:

  • avaliação ambiental completa da organização da Copa do Mundo da FIFA;
  • integração sistemática do meio ambiente às estruturas de gestão;
  • composição e integração de um conselho consultivo ambiental;
  • programa de consulta a partes envolvidas;
  • objetivos mensuráveis em seis temas principais: água, resíduos, energia, transporte, compras e mudança climática;
  • atividades planeja.das para minimizar os efeitos ambientais adversos

"20 Centros para 2010" e meio ambiente
A campanha oficial da Copa do Mundo da FIFA África do Sul 2010, "20 Centros para 20", está construindo 20 centros Football for Hope com o objetivo de promover a saúde pública, a educação e a prática do futebol em comunidades carentes de toda a África.

Usando os elementos positivos do futebol, muitas organizações comunitárias conseguiram se aproximar dos jovens e enfrentar diversas dificuldades locais como a coleta de resíduos e a educação ambiental. Para fortalecer esse desenvolvimento, os centros Football for Hope estão sendo construídos com o objetivo de serem instalações nas quais essas organizações líderes possam se aproximar dos jovens e das comunidades locais.

Além disso, a Yingli Solar, patrocinadora da FIFA e da Copa do Mundo da FIFA, está instalando painéis solares em cada um dos 20 centros não apenas para garantir o fornecimento de energia às instalações, mas também para elevar a conscientização sobre fontes energéticas alternativas em comunidades africanas.

Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014
A FIFA já começou a trabalhar com o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo da FIFA 2014 para que haja uma integração adequada das questões ambientais à estrutura de gestão, à preparação e à execução do evento. Essa iniciativa não apenas fortalecerá o programa ambiental para 2014, como também ajudará os organizadores a acompanharem os diversos projetos que já começaram a ser implantados no país que sediou a primeira cúpula global sobre ecologia e desenvolvimento em 1992.