Resposta da FIFA ao relatório do Conselho Federal da Suíça sobre a luta contra a corrupção e a manipulação de resultados
© Getty Images

A FIFA reconheceu o relatório do Conselho Federal da Suíça sobre o combate à corrupção e à manipulação de resultados no mundo do esporte e considera que as medidas especiais tomadas pelo governo suíço para apoiar federações e organizações esportivas na luta contra o problema são um sinal positivo para a proteção da integridade dos esportes e do ambiente esportivo.

A complexidade das questões inerentes à luta contra a corrupção e a manipulação de resultados exige a implementação sistemática de mecanismos auto-regulatórios por parte das instituições esportivas, assim como regulamentação por parte do Estado. A FIFA reconhece a necessidade das ações governamentais e está satisfeita em observar que as medidas já adotadas durante o processo de reforma da entidade são descritas como "um marco" pelo relatório.

"A decisão do Comitê Executivo da FIFA de 17 de julho de 2012, segundo a qual foram nomeados indivíduos de reputação internacional à presidência das câmaras investigatória e decisória do novo Comitê de Ética, representa um marco na história da entidade", lê-se à página 31 do documento. "No contexto dessas nomeações, o Comitê Executivo fez nova revisão do Código de Ética (em vigor desde o dia 25 de julho de 2012). A eleição de novos membros para o Comitê de Ética e novas emendas ao Estatuto foram anunciadas para 2013."

Também mereceram elogios as iniciativas da FIFA na luta contra a manipulação de resultados. Em particular, a natureza internacional do esporte exige que as federações e organizações esportivas e os órgãos nacionais e internacionais trabalhem unidos no enfrentamento da questão. Considerando a incidência do pagamento de propinas no setor privado, que foi alvo de tantos debates, a FIFA considera positivo que esse amplo problema esteja sendo tratado tanto de forma generalizada quanto com relação a ONGs.

A FIFA destacou ainda que, de acordo com o relatório, "intervenções direcionadas por parte dos legisladores suíços em áreas como tributação e direito societário a fim de impor padrões regulatórios de governança não seriam úteis nem do ponto de vista político nem de uma perspectiva legal".

"Estou contente que o Conselho Federal tenha aprovado as medidas relativas ao processo de reforma", afirmou o presidente da FIFA, Joseph S. Blatter. "Esse reconhecimento e o relatório do Conselho mostram que estamos na direção certa, e nos motivarão ainda mais para seguirmos com as reformas até a conclusão do processo, no Congresso da FIFA de 2013. Tanto a FIFA como eu permanecemos plenamente comprometidos com o processo de reforma. A FIFA está convencida de que, trabalhando com órgãos nacionais e internacionais, podemos vencer a batalha contra a corrupção e a manipulação de resultados", concluiu o dirigente.