Valcke: Juntos contra a manipulação de resultados
© AFP

Em uma conferência internacional sobre o combate à manipulação de resultados, o secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, falou dos perigos dessa prática ilegal a um público formado por membros do mundo do futebol e de órgãos de aplicação da lei, que estiveram reunidos no marcante evento.

Cerca de 200 representantes de 50 países estiveram presentes no encontro, realizado em Roma, na Itália, para debater as ameaças impostas ao futebol pelo arranjo de resultados e apresentar formas de melhorar a prevenção e investigação das atividades ilícitas. Intitulada "Manipulação de resultados: o lado feio do jogo bonito", a conferência representou um importante passo na luta contra a prática, que gera bilhões de dólares em apostas ilegais ao redor do mundo.

Ao promover o encontro de Jérôme Valcke com os secretários gerais da INTERPOL e da UEFA, Ronald K. Noble e Gianni Infantino, respectivamente, e com o presidente da Federação Italiana de Futebol, Giancarlo Abete, a conferência procurou ajudar os mundos do futebol e da aplicação da lei a caminharem juntos contra a compra de resultados em níveis nacional, regional e internacional.

Entre os presentes estavam responsáveis por organizações internacionais como a FIFPro, a Sportaccord e federações nacionais de futebol, além de executivos responsáveis pela integridade do futebol e representantes de jogadores e árbitros, empresas de aposta, autoridades reguladoras de apostas e profissionais dedicados ao cumprimento da lei.

"Atualmente, quase 300 milhões de pessoas praticam o futebol em todo o mundo", destacou Valcke. "Essa extraordinária popularidade gera responsabilidades por parte da FIFA. Um dos objetivos estatutários da entidade é justamente proteger a integridade do esporte. Assim, a luta contra a manipulação de resultados é de alta prioridade para a instituição."

"Precisamos garantir que existam regras adequadas, que tudo o que fazemos seja transparente, que as nossas decisões beneficiem este esporte, e que aqueles que não respeitarem as regras sejam punidos", disse o dirigente. "Contudo, mesmo com toda a boa vontade do mundo, a FIFA não pode combater e vencer sozinha a corrupção no futebol. O envolvimento de todas as partes, que precisam trabalhar juntas, é essencial nessa luta."

"Nosso encontro aqui em Roma é um reconhecimento dessa realidade", comemorou o secretário-geral. "Apenas nos unindo seremos capazes de transmitir a mensagem de comprometimento, progresso e sucesso permanentes contra o crime organizado."

Unidos em favor do futebol
A FIFA firmou uma cooperação de dez anos com a INTERPOL para enfrentar a prática ilegal. A iniciativa tem por objetivo combater a corrupção no esporte pela combinação de programas de conscientização e treinamento, voltados a indivíduos diretamente envolvidos no processo, e pela utilização de estratégias para detectar e fazer frente aos métodos empregados pelo crime organizado.

"A compra de resultados só existe por causa do dinheiro", declarou Noble. "Estima-se que as apostas ilegais que levam aos jogos arranjados correspondam a um mercado na casa das centenas de bilhões de euros por ano, e que as maiores casas de apostas tenham receitas do mesmo porte da Coca-Cola."

"Organizações criminosas se beneficiam da compra de resultados tanto pelos lucros que prometem quanto por sua capacidade de lavar os ganhos ilegais oriundos de outras atividades criminosas", explicou o secretário-geral da INTERPOL. "Está claro que a manipulação de resultados é um mal atuante em várias frentes, o qual precisamos exterminar por meio de esforços nacionais e internacionais coordenados", acrescentou, destacando ainda que a conferência reuniu as secretarias-gerais de INTERPOL, FIFA e UEFA pela primeira vez na história.

Essas palavras foram endossadas por Infantino, que discorreu sobre a contribuição da UEFA para a eliminação do problema. "Vamos continuar combatendo este câncer", garantiu. "Com nosso programa continuado de educação para jogadores, árbitros e treinadores, nossos sofisticados sistemas de monitoramento e nosso forte vínculo com órgãos legais e autoridades nacionais, não nos renderemos de forma alguma aos manipuladores de resultados."

Medidas importantes
Em junho passado, o ex-diretor da INTERPOL e ex-gerente da Agência Alemã de Criminalística, Ralf Mutschke, assumiu o cargo de diretor de segurança da entidade máxima do futebol e, em entrevista recente ao FIFA.com, colocou a prevenção da manipulação de resultados como sua mais alta prioridade. "Garantir que a compra de resultados não aconteça é nossa primeira missão", assegurou. "É muito importante que toda a comunidade vinculada à FIFA esteja envolvida na luta contra o crime organizado."

O alemão falou também do caminho a ser traçado daqui em diante. "Umas das medidas mais importantes são o programa de conscientização da FIFA, que conta com sessões informativas que antecedem todos os torneios realizados pela entidade, e a preparação dos principais dirigentes da Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013 e da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 para esse fenômeno", complementou.

"Também são realizadas oficinas regionais e nacionais para garantir uma abordagem uniforme e sistemática, mas vai muito além disso", continuou Mutschke. "Queremos mostrar que a FIFA, em conjunto com nossa parceira INTERPOL, está realmente concentrada na questão. Em fevereiro, um canal para denúncias será posto em funcionamento para que qualquer pessoa possa entrar em contato por e-mail."

Quem também aproveitou a oportunidade para falar da criação da nova divisão de segurança comandada por Mutschke foi Jérôme Valcke. "Queremos seguir por este caminho, intensificar nossos esforços e expandi-los", explicou. "O futebol faz parte de nossa cultura nacional, e dia a dia é nosso dever como órgão regulador adotar uma política de tolerância zero e proteger a comunidade futebolística. Estamos determinados a cumprir esta responsabilidade da mais alta importância e ir além."

A conferência teve o apoio da Unidade de Integridade no Esporte da INTERPOL e faz parte da iniciativa de treinamento, educação e prevenção levada de forma conjunta pela instituição e a FIFA. Também foi fruto da parceria com o Ministério do Interior da Itália e com a UEFA.

"Estamos orgulhosos de receber esta primeira conferência europeia voltada à manipulação de resultados e que reúne os principais nomes de todos os setores envolvidos nesta luta coletiva contra as redes de crime organizado, que buscam lucrar com o jogo bonito", declarou Antonio Manganelli, diretor do Departamento de Polícia da Itália. "A polícia italiana segue comprometida com a proteção do futebol e de todos os esportes contra a corrupção", completou.