Para Sinclair, 2015 começa agora
© Getty Images

A determinação é perceptível no olhar de Christine Sinclair. A atacante canadense nunca deixa dúvidas de que está sempre buscando o sucesso incessantemente. A mentalidade de campeã faz parte da forma como ela enxerga o mundo. Para atingir os seus objetivos, Sinclair sempre escolhe o caminho mais direto, tanto dentro quanto fora de campo.

Depois de mostrar mais uma vez a sua qualidade no Torneio Olímpico de Futebol Feminino Londres 2012, sagrando-se artilheira com sete gols e levando o seu país à conquista da medalha de bronze, a atacante canadense agora está esperando ansiosamente para disputar a Copa do Mundo Feminina da FIFA Canadá 2015. Em entrevista exclusiva ao FIFA.com, ela declarou sem rodeios que o plano é conquistar o título.

"Voltamos a nos divertir"
É bastante natural que, após a terceira colocação em Londres 2012, a jogadora de 29 anos queira chegar ainda mais longe da próxima vez, até porque o próximo Mundial Feminino será disputado no seu próprio país. Para Sinclair, a Copa do Mundo Feminina da FIFA em casa será o ponto máximo da sua carreira. "Acredito que teremos uma pequena vantagem por jogarmos nos nossos estádios e diante da nossa própria torcida", afirmou. "E queremos aproveitá-la da melhor forma possível. Teremos três anos para nos preparar com o nosso técnico John Herdman. Estou confiante."

Até chegar lá, serão muito importantes as experiências que Sinclair e as companheiras adquiriram nos últimos 15 meses, com dois momentos contrastantes de fracasso e sucesso. Primeiro, o Canadá foi eliminado de modo surpreendente logo na primeira fase da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2011. Depois disso, a equipe teve um desempenho excelente em Londres 2012, mostrando um futebol de primeira qualidade. "Aprendemos com a eliminação", afirmou Sinclair. "Agora sabemos que, nesse nível, não podemos jogar nem um jogo sem dar 100% de nós."

Na opinião da jogadora recordista em número de atuações pelo Canadá, a contratação do técnico Herdman foi um dos principais motivos para a evolução dos últimos meses. "Somos uma equipe totalmente diferente", disse Sinclair. "Depois da última Copa do Mundo, éramos uma equipe como que em pedaços. O John nos seu energia nova e entusiasmo. Ele implantou a sua visão e o seu estilo. Agora, voltamos a nos divertir jogando."

Esperanças com o avanço
"Todo o país fará um grande trabalho para a próxima Copa do Mundo", comentou Sinclair. "Já começaram os preparativos e podemos sentir que o entusiasmo em relação ao evento está cada vez maior. O mais importante é que esse torneio será um grande impulso para o futebol canadense."

Eleita sete vezes a Jogadora do Ano do Canadá e principal nome do futebol do seu país, Sinclair acredita que os próximos anos serão decisivos. "Depois da Copa do Mundo de 1999, que aconteceu nos EUA, o nosso esporte foi ficando cada vez mais amado por lá", explicou a jogadora. "É justamente isso que queremos fazer no Canadá. Os canadenses só costumam acompanhar futebol a cada quatro anos. Mas até 2015 essa lacuna deverá ser preenchida."

A perigosa atacante, uma das mais explosivas e temidas do futebol feminino mundial, não é a única que tem essa esperança. Existe uma expectativa geral de que a Copa do Mundo Feminina da FIFA 2015, que terá pela primeira vez 24 seleções, será um sucesso.

Outra questão importante, embora Sinclair diga não se preocupar com isso, é que em três anos ela poderá quebrar um impressionante recorde diante da sua própria torcida. Atualmente, a atacante é a terceira maior goleadora de todos os tempos jogando por seleções, tendo marcado 143 gols pelo seu país, enquanto a americana Abby Wambach tem 145, na segunda colocação, A recordista é a ex-jogadora americana Mia Hamm, que balançou as redes 158 vezes pelos EUA. Mas até 2015 Sinclair pode perfeitamente se tornar a número um.