Combate ao doping no futebol
© FIFA.com

A FIFA tem uma missão clara: manter o futebol livre do doping. É dever da FIFA proteger os jogadores de eventuais contusões e assegurar que eles possam competir em condições de igualdade. Por se destinar a indivíduos cheios de aspirações e que gozam de plena autonomia, a estratégia antidoping da entidade tem como base a educação e a prevenção. A FIFA respeita a dignidade e a vida particular de todo atleta submetido aos testes.

Toda e qualquer decisão relacionada ao programa antidoping da FIFA é calcada na especificidade do futebol, na comprovação científica e na análise de estatísticas validadas. A reponsabilidade da FIFA no combate ao doping se traduz em regras estritas de controle, na coleta permanente de dados e no uso de pesquisas baseadas em evidências. A FIFA é parceira da Agência Mundial Antidoping (WADA) no trabalho de cooperação necessário para resguardar a saúde dos atletas e o senso de justiça em competições do mundo todo.

A quantidade total de amostras coletadas e analisadas no futebol anualmente, de acordo com estatísticas da WADA, possibilita que se calcule a incidência de testes positivos. De maneira geral, o futebol registra baixo índice de amostras positivas, inferior a 0,4% nos últimos anos (0,34% em 2004; 0,32% em 2005; 0,35% em 2006; 0,36% em 2007 e 0,23% em 2008).

Em 2009, foram realizados 32.526 exames antidoping entre futebolistas no mundo inteiro. De acordo com o banco de dados de controle antidoping da FIFA, 68 amostras (0,21%) tiveram resultado positivo, das quais cinco (0,02%) foram positivas para esteroides anabolizantes. Maconha e cocaína geralmente representam de 70% a 80% dos testes positivos.

Tabela 1. Total de amostras, amostras positivas e amostras positivas para anabolizantes no futebol por ano

 

2004

2005

2006

2007

2008

2009

TOTAL DE AMOSTRAS

22.329

23.478

25.727

28.313

33.445

32.526

AMOSTRAS POSITIVAS

76
(0,34%)

74
(0,32%)

89
(0,35%)

102
(0,36%)

78
(0,23%)

68
(0,21%)

ANABOLIZANTES

9
(0,03%)

11
(0,05%)

10
(0,04%)

14
(0,05%)

6
(0,02%)

5
(0,02%)

O calendário futebolístico se estende pela maior parte do ano e, juntando os treinos da pré-temporada, sobram poucas semanas de férias aos jogadores. Atletas de ponta geralmente competem não só nos sábados e domingos, mas também durante a semana. Além disso, defendem diferentes equipes em nível nacional e internacional, o que reduz ainda mais os períodos sem competição.

O futebol possui o maior número de atletas entre todas as modalidades esportivas, tornando indispensáveis a eficácia e a eficiência dos planos de controle antidoping. Considerando o número de jogadores, o calendário de jogos e o total de testes positivos, a realização de controles individuais no futebol seria ineficiente e ineficaz. Em equipes de ponta, a condução de exames aleatórios sem aviso prévio em qualquer tempo produz maior efeito dissuasivo. Já nas divisões inferiores, as principais ferramentas de luta contra o doping devem ser a educação e a prevenção.