Programa de Assistência Financeira: utilização
© FIFA.com

Evolução

Entre 2001 e 2006, os recursos do Programa de Assistência Financeira (FAP na sigla em inglês) foram empregados principalmente em infraestrutura, divisões de base e desenvolvimento técnico das federações.

Atualmente, as principais tendências apontam para o financiamento do desenvolvimento técnico, planejamento e administração e para a promoção das divisões de base, conforme mostra a comparação com o ano de 2010.

O gráfico mostra a utilização dos fundos do FAP em 2010 por confederação, ilustrando eventuais diferenças nas necessidades esportivas das várias regiões. Vale notar que os recursos investidos no desenvolvimento do futebol feminino estão incluídos na categoria "desenvolvimento técnico".

Auditorias

A aprovação, a transferência e a utilização dos recursos do FAP são regulamentadas pela FIFA. O pagamento integral da alocação anual está submetido a condições que as federações afiliadas devem respeitar.

Um dos pilares do regulamento do FAP é que toda federação que receba fundos do programa seja obrigada a se submeter a uma auditoria independente. Essa condição foi implementada para estimular as federações afiliadas a seguirem no caminho das boas práticas de gestão financeira e da transparência, além de possibilitar que a FIFA zele pelo uso correto desses recursos.

O regulamento do FAP permite que a FIFA solicite três auditorias diferentes à federação afiliada:

  • Uma auditoria local anual, realizada por auditor independente que a FIFA se reserva o direito de recusar, refere-se à utilização dos fundos do FAP
  • Uma auditoria central, realizada por auditor central nomeado e subsidiado pela FIFA, referente à utilização dos fundos FAP. Os custos da auditoria são pagos pela FIFA. Todos os anos, 10% das federações beneficiárias do programa passam por tal auditoria
  • Um relatório de auditoria estatutário referente à federação afiliada, realizado por auditor externo independente. Essa auditoria envolve a totalidade das contas da federação e é obrigatória nos termos do artigo 43 dos Estatutos da FIFA.